Autor Tópico: [D&D] Eberron  (Lida 39543 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Malena Mordekai

  • Malena Mordekai Transphinx
  • everytime i close my eyes wake up feeling so h
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #30 Online: Março 24, 2012, 10:22:44 am »
Os Quori são trope namer aqui... http://tvtropes.org/pmwiki/pmwiki.php/Main/PathOfInspiration
Refere-se ao tropo de qualquer religião aparentemente benévola mas que faz lavagem cerebral em seus devotos e tem desígnios mal-intencionados secretos.

@Elfo
Pois é, é coisa do Secrets of Xen'drik, inclui uma forja e uns "quorforged", olha um aí:



Eu tenho mania de quori, tanto que um Tsucora Quori é a única miniatura que eu tenho em casa:
(click to show/hide)

Citar
hey took for granted your soul, And it's ours now to steal, As your nightmare comes to life. Na imagem, Inspirados e seus mestres Quori ao fundo.
pqp... eu ouço essa música praticamente todo dia, que merda...

@Lumine
Pergunta clássica do cenário :P
« Última modificação: Março 24, 2012, 10:33:46 am por publicano »
DEVORAR PARA DECIFRAR
DEVOUR TO DECIPHER

https://www.furaffinity.net/user/transphinx/

interesses rpgísticos atuais: FATE, DnD 5e, GUMSHOE System, DnD 4e, Storytelling System (CoD), Powered by the Apocalypse, UNSAFE

Offline Rain

  • “Nada é verdade, tudo é permitido”.
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #31 Online: Março 24, 2012, 11:00:26 am »
Se puderem, ignorem o Secrets of Xen"drik  :bwaha:
Sobre os Warfogeds, é como o Elfo já disse o projeto provavelmente é de origem gigante (ou draconica, quem sabe?)

Os Psiforged, é um projeto de Merrix d´Cannith (O neto). Ele utiliza de cristais canalizadores para criar forjados com poderes psionicos
Só lembrando ha um preconceito desgraçado com Forjados


- Em Thrane, por exemplo, existem pessoas que o acham uma aberração antinatural
 - Em Karrnath existe certa discordância sobre esta historia dos forjados serem livres (foram criados para serem escravos que sejam escravos, como droga um andróide pode ser livre?),
 - E no resto do mundo ha gente preconceituosa que liga os forjados bélicos a imagem cag!@@# e cuspida da grande guerra...Estes "grupos anti forjados" pedem a desativação e destruição das maquinas arcanas
« Última modificação: Março 24, 2012, 11:11:36 am por Rain »
"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância."
"Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância."

                                                        Sócrates

Offline Malena Mordekai

  • Malena Mordekai Transphinx
  • everytime i close my eyes wake up feeling so h
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #32 Online: Março 24, 2012, 11:08:56 am »
Há uma discussão sobre a existência ou não de almas warforged, porque ao que parece estas não são vistas em Dolurrh (o Pendor das Sombras de Eberron).
Como no meu grupo havia um clérigo de Boldrei, essa discussão importava bastante.

Rain, a questão não é "se puderem" kkkk eu queria pôr os quori nas minhas tramas, e o material de Secrets of Xen'drik parecia dar exatamente o que eu queria.
Quanto aos psiforged, lembre que esta é a explicação 3.5. Os shardmind nem mesmo existiam nessa época, e os cristais canalizadores dagora são diferentes.

E por falar em 4e, engraçado é que agora, junto com os genasi, os warforged são uma das poucas raças que dão suporte com sinergia total a uma série de builds arcanos, em cada classe arcana há pelo menos um que use Constituição + Inteligência, que é uma das opções disponíveis a personagens warforged.

Esse link discute um pouco sobre isso dos quorforged...
http://forum.rpg.net/showthread.php?509335-Eberron-Morgrave-High-School/page2
(click to show/hide)
Note que o quote na spoilerbox acima é DO KEITH BAKER, CRIADOR DE EBERRON, embora ele diga tudo que ele poste ali é da opinião dele e não necessariamente cânone. Mas mesmo assim, acho que é relevante por ser opinião do criador do cenário.
Aliás, esse quote me faz lembrar de outra coisa esquisita do cenário: os DROW DE XEN'DRIK.
« Última modificação: Março 24, 2012, 11:15:09 am por publicano »
DEVORAR PARA DECIFRAR
DEVOUR TO DECIPHER

https://www.furaffinity.net/user/transphinx/

interesses rpgísticos atuais: FATE, DnD 5e, GUMSHOE System, DnD 4e, Storytelling System (CoD), Powered by the Apocalypse, UNSAFE

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #33 Online: Março 24, 2012, 04:49:43 pm »
Citar
Porque os Daelkyr são tão parecidos com humanóides ...alias, cronologicamente, porque os humananóides são tão parecidos com os Daelkyr?

Eu sei que essa é clássica, mas eu gosto de lembrar que os Daelkyr são os "soldados rasos" de Xoriat e praticamente os únicos que por algum motivo, tem interesses em assuntos humanóides. Mas os humanos escapam da manipulação Daelkyr porque estavam em Sarlona na época da invasão de Xoriat.

Citar
Aliás, esse quote me faz lembrar de outra coisa esquisita do cenário: os DROW DE XEN'DRIK.

Eu ia fazer algo sobre eles no futuro, mas como já fiz dois posts bem grandes ontem e tenho que fazer das aberrações de Xoriat, vou copiar algo do próprio Keith Baker no Ask the Dreaming Dark:

The drow are the subject of many questions. The dark elves of Forgotten Realms and Greyhawk have a strong, established flavor, and people are still learning how the drow of Eberron differ from their cousins in other worlds. This week we'll look at a few of the frequently asked questions about the drow. However, to start off, I want to establish a few things. In some settings, the drow are presented as a more or less monolithic culture. This is not the case in Eberron. The drow of Xen'drik have many different nations and cultures, just like humans, elves, and the other races. So far three drow cultures have been established in official material, but there's nothing preventing a DM (or Wizards of the Coast) from introducing new dark elf civilizations in days to come. The three cultures we've seen so far are:

The Tribes of Vulkoor. Primitive folk who live in the wild lands of Xen'drik, the tribes of Vulkoor favor leather or chitin armor and exotic weapons such as the Xen'drik boomerang. Most Vulkoor tribes are nomadic, living off the land and using ruins and caves as temporary shelter. Many tribes have no tradition of metal-working; as a result, metal weapons are treasured. The worship of the scorpion god Vulkoor is a common theme, but there are many variations in worship; a few of the tribes have broader animistic beliefs, in which Vulkoor is just one of the great spirits of nature. The drow of Vulkoor are not inherently evil, but the constant struggle for survival promotes a ruthless outlook on life. In addition, the tribes are typically hostile to foreigners, who are seen as desecrating the land. Beyond that, tribes often compete with one another for resources. Some feud with the giants, while others maintain vendettas against the other drow cultures described below. Information about the tribes of Vulkoor can be found in Races of Eberron and Secrets of Xen'drik. One example of a Vulkoor tribe can be seen in the novel The Shattered Land, and an example of a Vulkoor village can be found in Dragon 345.
The Tribes of Vulkoor appear to be the dominant drow culture in Eberron, and a reference simply says "drow", it can be assumed to be referring to tribal drow.

The Sulatar. These drow appear to have held onto traditions and magic dating back to before the fall of the giants. They are especially skilled in summoning and binding fire elementals. They have been seen to bind fire to weapons, armor, and even the walls of buildings. They have small, two-person "firesleds" that appear to operate using the same principles as the airships of House Lyrandar, but there is no evidence that the sulatar have ever created anything as large as a Lyrandar airship. The sulatar live in renovated fortresses, and make use of metal arms and armor, along with a crystaline material called blood glass. Sulatar religion is based on their ancient service to the giants, and revolves around a promised land of fire. The sulatar population is unknown; there may only be a single city of firebinders, or they may have an empire stretching across the interior of Xen'drik. Information about the sulatar can be found in Secrets of Xen'drik, and the sulatar play a role in the novel The Shattered Land.
 
The Umbragen. The ancestors of these dark elves survived the fall of the giants by fleeing into the underdark of Khyber. There they found themselves battling aberrations and other horrors; casting about for a defense against these terrible foes, they forged a bond with a mysterious force of shadows. In contrast to the tribes of Vulkoor, the umbragen are a sophisticated culture with magic and metal-working skills on par with the smiths of the Five Nations. And like the sulatar, the full numbers of the umbragen are left to the DM; there mayonly be one community of these dark elves, or there could be a nation hidden in the underdark. The umbragen appear in Secrets of Xen'drik and the computer game Dragonshard, but the primary source is the article in Dragon 330.     

Mechanically, unless otherwise mentioned, these drow are exactly the same as the drow presented in the SRD and Monster Manual. So, with all of that in mind…

QUESTION: Are the racial weapon proficiencies of Xen'drik drow the same as those of FR/Greyhawk drow?

Officially (as presented in Races of Eberron) tribal drow are identical to the drow from the Monster Manual; they are proficient with the short sword, rapier, and hand crossbow. The Drow Skirmisher feat allows Xen'drik drow to treat certain exotic weapons (Scorpion chain, drow long knife, and Xen'drik boomerang) as martial weapons, but this is not an innate quality of the race. If I were to change the proficiencies of tribal drow, I'd set them to short sword, drow long knife, and Xen'drik boomerang… but that would be a house rule.

The other drow cultures do have different weapon proficiencies, as follows:

Umbragen: Proficient with longbow, shortbow, longsword, and rapier. 

Sulatar: Proficient with short sword and hand crossbow; the double-bladed sword is a martial weapon for sulatar drow.

QUESTION: Are languages the same as well?

No… but I can't officially back this up. Here's the thing: I've searched through Races of Eberron and Secrets of Xen'drik for anything that would spell this out, and I can't find a statement of "Tribal drow characters possess the following languages…" anywhere. However, if you take a look at the drow NPCs presented on page 68 – 73 of Secrets of Xen'drik, you'll see that none of them speak Undercommon, the one of the base languages of traditional drow. Since all of the drow NPCs have at least one bonus language, it's hard to say exactly which it is. Personally, *I* would say that all tribal drow speak Drow, Drow Sign Language, and Giant, with Common, Draconic, Elven, and Undercommon as bonus languages; tribal drow don't live in the underdark, but they may scavenge below. You could certainly swap DSL and Common, but I personally prefer the idea that many drow don't know the language of explorers; Common and Riedran would languages they'd only learn by trading with or hunting foreigners.

So, there is no official source that tells you exactly what the languages are, but Secrets of Xen'drik makes clear what they aren't… and Undercommon isn't an automatic language for tribal drow.

The umbragen have a different set of languages and bonus languages, as described in Dragon 330. Likewise, the RPGA Xen'drik Expeditions campaign uses yet another set of languages for drow characters. 

QUESTION: Since drow don't live in the underdark, why do they have darkvision and light blindness?

Good question. Legends claim that the first drow were created by one of the giant nations of Xen'drik; giant transmuters "bound the essence of night" into elves, creating the drow. These dark elves were used as overseers, soldiers, and assassins in the giant's conflict with the rebellious true elves. The small (well, medium) size of the drow allowed them to follow the elves into places a giant couldn't go. The spell resistance of the drow protected it against elf magic. And darkvision is a boon for the assassin. According to this tale, light blindness is an unfortunate side effect of this bond to night. This tale would also explain why no drow were brought on the elf exodus to Aerenal; even though some drow turned against the giants, the dark elves were made to slay the first elves, and the enmity between the two races ran deep.

This is only a legend, and you may come up with an entirely different explanation. However, the existence of the legend itself is official; it is presented in Dragon 330, The Shattered Land, and Secrets of Xen'drik.

QUESTION: If they don't live underground, how do drow deal with light blindness?

By avoiding direct sunlight. Drow prefer the forested regions of Xen'drik. In the dense jungles, the light that penetrates the canopy is insufficient to trouble the drow. In other regions, drow maintain a nocturnal lifestyle, taking shelter during the brightest hours of the day or using shaders to protect their eyes. Beyond this, some drow have actually overcome this racial weakness; this gift is represented by the Daylight Adaption feat. See Races of Eberron for full information on shaders and Daylight Adaption.

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #34 Online: Abril 04, 2012, 11:28:23 pm »
A pedido do Youkai  X e desculpe, publicano, mas eu não me simpatizo muito com Xoriat e os Daelkyr. É um Post Duplo, mas creio que posso ser perdoado por isso. ;)

A história dos Elfos

Se você joga a 4e, eu estou restringindo esse artigo aos Elfos, não incluindo Eladrins. Okay, não vou mentir, mesmo que eu adore Eladrins e Eberron, o casamento de ambos foi horrendo. Também não vou tocar muito nos Drows, para isso veja o Ask the Dreaming Dark, escrito pelo próprio Keith Baker.

A origem dos elfos é relativamente simples, eles são imigrantes do plano de Thelanis (O Lar das Fadas) que estão a tanto tempo em Eberron que perderam boa parte dos laços feéricos, salvo por alguns druidas da ordem dos Greensingers. O que fez os Elfos ficaram a tanto tempo em Eberron? Eles eram escravos dos impérios gigantes que existiam no continente de Xen'Drik, há milênios atrás, e aprenderam magia arcana com tais criaturas.


O glorioso passado dos Elfos - Versão Eberroniana

Invasores do plano de Dal Quor (parecidos com os Quori de outro texto acima, mas esses eram de outro Ciclo dos Sonhos) passaram a ameaçar os Gigantes, que recorrem a uma série de poderosos feitiços para se livrar deles, mas a custos imensos, que enfraqueceram não só os próprios gigantes como amaldiçoaram essa raça. Começa aqui o declínio dos gigantes, e após 10 milênios, os gigantes alcançam tal ponto que os elfos aproveitaram a situação para iniciar guerras por sua libertação.  Por anos conflitos ferozes ocorriam, mas os gigantes não cairiam tão fácil. Até que um visionário, Aeren, surgiu em meio aos elfos, predizendo um imenso cataclisma mágico ocorreria em Xen’Drik e que os elfos deveria navegar para além dessas terras.


Shae Mordai - Cidade sagrada dos Elfos. Note as influências da arquitetura gigante nos trabalhos élficos

Aeren estava correto e tal cataclismo ocorreu (embora seja mais complexo aqui, mas não entrarei  nessa história), onde os Elfos, livres graças predição de seu profeta, navegam em direção ao seu novo lar, uma série de ilhas tropicais intimamente ligadas ao plano de energia positiva, Irian.  Diversas grupos élficos acompanham Aeren nessa jornada.

Nesse lugar, pouco após de aportar, Aeren morre e separações entre seus seguidores ocorrerão nessa ilha ao longo do tempo. O que escrevo aqui são as linhas gerais do que diferem os membros povo élfico. Lembre-se que todas essas diferenças são culturais, não sub-raças , como ocorrem em outros cenários de RPG. Eu não estou mantendo uma linha cronológica estrita, embora tente deixar tais grupos de acordo com sua ordem de estabelecimento.


Nessa imagem, Elfos de Aeranal. Da direita para a esquerda, um Imortal Guerreiro (Undying Warrior), uma membra da Vigília da Morte (Deathguard) e um Sacerdote da Transição (Priest of Transition).

•    Elfos que seguiam a ideia de que o futuro de sua raça estava no estudo místico e no conhecimento arcano e religioso nomearam Aerani, e deles surge a tradição de não só respeitar e honrar seus ancestrais, mas também imortalizá-los pelo uso de magia necromântica e rituais poderosos, criando os primeiros Imortais (Deathless). Com o tempo, esse grupo será predominante em Aeranal, e a devocão aos ancestrais atinge tal ponto que surgirá a Corte Imortal (Undying Court), cuja força conjunta é grande a ponto de proteger os elfos na ilha de Aeranal de ataques dracônicos. Esses são os Elfos de Aeranal.


Nessa imagem, também Elfos de Aeranal e um Babuíno, animal sagrado para os Elfos.

•   Outro grupo também se desenvolve em Aeranal, aqueles que honram seus ancestrais emulando os feitos dos matadores de gigantes e dragões em Xen’Drik, aqueles que empunharam armas pela primeira vez para se levantar contra a opressão. Tais guerreiros respeitam e honram os Imortais, mas preferem uma devoção mais ativa, através de de feitos e demonstrações. Esses são os Elfos Tairnadal, que também habitam a Ilha de Aeranal, especialmente em suas estepes. Modernamente, essa cultura está em certo declínio em Aeranal, mas cresce muito com um secto mais novo, detalhado abaixo, os Valenar (ou Valaes Tairn).


Uma boa representação de um grupo de guerra Tairnadal.

•   Alternativa à necromancia positiva praticada pela Corte Imortal, existem as culturas Qabalrin. Eles já existiam antes da fuga de Xen’Drik e praticavam a necromancia negativa, fazendo surgir os (talvez) primeiros vampiros e liches. Tal cultura durou pouco, mas ressurgiu em Aeranal por meio da Linhagem de Vol. Essa família de elfos, nascida com a Marca da Morte (Dragonmark of Death – notem que é dedicada à morte, não aos mortos-vivos. Isso é um detalhe importante) passou a praticar também necromancia negativa e a trabalhar em conjunto com dragões, ao ponto que deram origem a meio-dragões por meio da união com o dragão Garra Esmeralda (Emerald Claw). Um desse meio-dragões foi a jovem Erandis d’Vol, uma talentosa maga, a única sobrevivente de sua casa graças a um ritual que a transformou em uma lich. Por que ela é a única? Porque os atos da Linhagem de Vol desagradaram tanto a Elfos quanto Dragões (lembre-se, ambos estão em um conflito desde que a Corte Imortal surgiu) que eles se uniram para extirpar essa linhagem.


Tradução: Qabalrin. E você achando que o Sangue de Vol (uma religião) era assustadora.

•   Assim como a Linhagem de Vol tinha a Marca da Morte, Elfos em Aeranal nasceram com a Marca das Sombras . Tais Elfos eram os Phiarlan, um grupo que também antecedia a fuga de Xen’Drik, exercendo o papel de diplomatas, e negociadores entre diferentes sectos élficos. Contudo, quando passaram a manifestar a Marca das Sombras em Aeranal, tais elfos perderam a confiança que tinham da Corte Imortal e vendo o que ocorreu com a Linhagem de Vol, os Phiarlan abandonam Aeranal e passam a viver em Khorvaire, que estava sendo dominada por humanos nesse período.

Em Khorvaire, esses elfos darão origem a Casa Phiarlan, que sofrerá uma cisão recente dando origem à Casa Thuranni. Também da união de alguns elfos com humanos ou vivendo entre humanos, surgirá outro grupo élfico, que será o último a ser explanado.


Casa Phiarlan - uma rede de inteligência e espionagem camuflada de artistas e diletantes

• Assim como os Phiarlan fugiram para Khorvaire, outro grupo de Elfos esteve lá bem antes antes.  Um grupo de Elfos Tairnadal chamado Valaes Tairn saiu de Aeranal para colonizar Khorvaire, convivendo em um difícil equilíbrio com os goblinóides descendentes de Dhakaan e os Orcs da cultura Gatekeepers (isso mesmo, os “Grandes Impérios do Passado” de Khorvaire são dessas raças),as vezes em guerras, as vezes em difícil paz. Contudo, a colonização de Valenar (as terras dos Valaes Tairn) acabou quando uma revoada de dragões ameaçou Aeranal, e os elfos  de Valenar retornaram para lá. Nem todos eles, claro. Assim como os Elfos Phiarlan que viriam depois para Khorvaire, alguns elfos desse grupo continuaram a morar nessas terras, integrando-se como humanos e outras raças.

Os planos dos Valaes Tairn de retornar à Khorvaire, porém, não acabaram ali. Por gerações, eles esperaram por uma chance, e isso ocorreu durante a Última Guerra (Last War). Nesse períodos, diversos elfos Valenar e Tairnadal foram para Khorvaire lutar na última guerra, como mercenários a serviço de Cyre (notavelmente). Mas seu número e poder foram tamanhos que ao redor de 950, os elfos se reúnem nas antigas terras de Valenar e proclamam que agora governam tais terras e são seus donos. Tal declaração não foi muito bem aceita, mas Cyre estava enfraquecida e poucas nações tinham coragem de se dedicar a atacar a nova nação de Valenar. Hoje, em 998 Y.K., a Última Guerra acabou, mas os Valenar não são muito fieis a essa ideia – eles continuam atacando em bandos as fronteiras de outras nações, sonhando com uma nova oportunidade de derrotarem outros povos e dominarem Khorvaire.


Elfos de Valenar - Provando que o papel de Horda Violenta nem sempre cabe aos Orcs

• Por fim, essa não é apenas uma cultura élfica. Em Khorvaire, a união entre elfos e humanos é de longa data, com uniões entre Phiarlan, Valaes Tairn e outros grupos de elfos com humanos, dando origem aos Meio-Elfos. Contudo, ao contrário da maioria dos cenários de RPG, ser chamado de Meio-Elfo é um insulto, porque a maioria deles forma uma raça estável, nascidos modernamente mais da união entre meio-elfos do que entre elfos e homens. Como os humanos originalmente vem de Sarlona e os Elfos de Xen'Drik, os meio-elfos vêem-se como uma nova raça, que nasceu e cresceu em uma nova terra, Khorvaire, e por isso seu nome deriva desse continente. Os elfos urbanos, alguns humanos e a maioria extrema de meio-elfos denominam-se de Khoravar. Dentre os Khoravar, destacam-se duas Casas, ambas possuindo Marcas. Tais casas possuem a Marca da Tempestade (a Casa Lyrandar) e Marca da Detecção (a Casa Medani) - que são vistas como "líderes espirituais" desse grupo cosmopolitano, recente e "moderno".


Um grupo de Khoravar

(click to show/hide)
Elfos de Khorvaire - Nem sempre tradição é uma boa ideia quando se tem graça e elegância

(click to show/hide)
Eland d'Thuranni - Mafioso e Assassino que liderou um massacre contra uma família toda e fundou a Casa Thuranni. O rosto perfeito do Elfo moderno
« Última modificação: Abril 13, 2012, 02:20:45 am por Dr. Faustus »

Offline Agnelo

  • Pai
  • O que se escreve num campo desses?
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #35 Online: Abril 04, 2012, 11:39:48 pm »
[OFF}

Só pra mim os posts do publicano estão bugados?
[/OFF]
Eu amo você. Tenho orgulho de você. Você trouxe à sua mãe e a mim mais alegria do que eu achei que houvesse. Seja bom pra ela e cuide bem dela.

Seja um dos mocinhos. Você tem que ser como John Wayne: Não aguente merda de nenhum idiota e julgue as pessoas pelo que elas são, não pela aparência.

E faça a coisa certa. Você tem que ser um dos mocinhos: Porque já existem Bandidos demais.

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #36 Online: Abril 04, 2012, 11:42:57 pm »
[OFF]O publicano está usando caracteres bugados, facilmente disponíveis aqui > http://www.eeemo.net/ <, que se tornaram atrelados a um meme conhecido como Zalgo.

Basicamente, esses caracteres aparentemente são resquícios de idiomas escritos diferentemente do latino (como Katakana), e, que por causa, disso, escapam dos lugares onde deveriam aparecer.

Offline Malena Mordekai

  • Malena Mordekai Transphinx
  • everytime i close my eyes wake up feeling so h
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #37 Online: Abril 04, 2012, 11:57:30 pm »
Bom, na minha visualização não era pra acontecer isso, deve ser algum problema com o seu Unicode (pq o zalgo só faz isso alterando como Unicode funciona), mas, como outras pessoas podem estar lendo mal, vou retirar agora mesmo.

Valeu por ter avisado. Mas mesmo assim, Zalgo Vem.
DEVORAR PARA DECIFRAR
DEVOUR TO DECIPHER

https://www.furaffinity.net/user/transphinx/

interesses rpgísticos atuais: FATE, DnD 5e, GUMSHOE System, DnD 4e, Storytelling System (CoD), Powered by the Apocalypse, UNSAFE

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #38 Online: Abril 05, 2012, 12:09:12 am »
Muito bom texto elfo!

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #39 Online: Abril 05, 2012, 12:10:28 am »
Retiraste as palavras da minha boca, Iuri.

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #40 Online: Abril 05, 2012, 12:14:29 am »
Sempre úteis para aqueles interessados no cenário tais textos.

Offline Malena Mordekai

  • Malena Mordekai Transphinx
  • everytime i close my eyes wake up feeling so h
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #41 Online: Abril 05, 2012, 12:37:07 am »
Adoro esses elfos de Aerenal e a religião do Sangue de Vol. Já fiz uma invocadora desse culto.

E eu tinha a nítida impressão que os Golgari de Magic: the Gathering tiveram alguns conceitos chupados daí, inclusive a elfa Savra.

Que é que vc tem contra os daelkyr, Elfo? Ou é contra aberrações em geral?
Alguém faça outro pedido aê... se ninguém fizer nenhum quero artigo sobre as Dragonmarked Houses, ou sobre os gnomos de Zilargo. A cultura deles é muito intriguenta, adoro.
DEVORAR PARA DECIFRAR
DEVOUR TO DECIPHER

https://www.furaffinity.net/user/transphinx/

interesses rpgísticos atuais: FATE, DnD 5e, GUMSHOE System, DnD 4e, Storytelling System (CoD), Powered by the Apocalypse, UNSAFE

Offline kinn

  • Abranubis
  • supreme sorcerer-psion multiclass
    • Ver perfil
    • Contos da Crisálida
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #42 Online: Abril 05, 2012, 12:45:58 am »
Eu quero saber dos raksasha de Eberron. Quem são, de onde vem, porque são tão poderosos. Aqui no Eberron reporter.
Pesquisas provam:
(click to show/hide)

Re:[D&D] Eberron
« Resposta #43 Online: Abril 05, 2012, 01:15:48 am »
Citar
Eu quero saber dos raksasha de Eberron. Quem são, de onde vem, porque são tão poderosos. Aqui no Eberron reporter.

Esse eu vou responder de forma breve, porque fiz meu post gigante do dia.

Quem são? Existem 3 coisas para responder aqui:

1. Os Rajahs, líderes dos Rakshasas são essencialmente, Monstros Lovecraftianos. Pode comparar com os Primordiais da 4e. Eles são criaturas cujo poder era tão imenso que foi preciso o trabalho conjunto de Dragões e Coautls (que se sacrificaram em massa) para contê-los.

2. Abaixo dos Rajahs, existem os Rakshasa Normais. Eles geralmente fazem parte dos "Lordes da Poeira/Pó" (Lords of the Dust) e trabalham geralmente ou em interesse proprio ou a serviço de um Rajah, se comunicando com ele via mensagens de sonhos e interpretando a Profecia Dracônica.

3. E tem os Associados. Demônios e Diabos que as vezes abandonam seu plano de origem para trabalhar com os Lordes, alguns são poderosos a ponto de fazer parte dos níveis mais altos do grupo.

De onde vem? Em sua maioria, de Eberron. São nativos do Plano Material. No passado bem distante (antes mesmo dos Gigantes, que descrevi no caso dos Elfos), na chamada Era dos Demônios, os Rakshasas governavam e dominava Khorvaire e Sarlona, com alguns poucos chegando em Xen'Drik. Com o arranca-rabo com os Dragões, a maioria dos Rajahs foi aprisionada em Sarlona ou Eberron, e seus agentes se misturam entre qualquer raça inteligente (poderes metamórficos são comuns entre eles), com destaque para as Demon Wastes em Khorvaire, onde fica a cidade Ashtakala, onde os Lordes se encontram, protegidos por mais feitiços do que é possível imaginar.

Porque são tão poderosos? Boa pergunta. Talvez por, junto com os Dragões e os Couatls, serem as mais antigas raças de Eberron. (Teoriza-se que os Dragões descendem de Eberron, os Couatls de Syberis, e os Rakshasa de Khyber.

Para se ter uma ideia da antiguidade, os demônios e rakshasas apareceram em Eberron há 10 milhões de anos e só foram enfrentar uma oposição significativa a 1,5 milhões de anos atrás, com os Dragões - que venceram graças a ajuda Couatl há 100 mil anos. E lembre-se que em RPG, "Antiguidade é Poder".
« Última modificação: Dezembro 12, 2012, 02:48:09 am por YHVH Tzevaot »

Offline Skar

  • Hail!!! O Tubarão
    • Ver perfil
Re:[D&D] Eberron
« Resposta #44 Online: Abril 05, 2012, 01:31:45 am »
Cara Elfo seus post são ótimos eu to usando eles para explicar Eberron pro grupo que eu to mestrando, me poupou um trabalho longo. Vlw mesmo  :victory:
The essentials for a productive discussion:
•    Tact: Be friendly, helpful, and cooperative.
••    Candor: Be frank and sincere.
•••    Intelligence: Think before you speak.
••••    Goodwill: Reasonable people can disagree.
•••••   Reception: Listen to what others are saying, not to what you think they're saying.