Autor Tópico: [HQ] Resenha: Escalpo  (Lida 1845 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

[HQ] Resenha: Escalpo
« Online: Agosto 23, 2012, 02:46:46 pm »
"Bravo, Sr. Cavalo Ruim. Bem vindo ao mundo dos desiludidos. Bem vindo ao lar."

Essa semana saiu nos estados a edição #60 de Escalpo (título original: Scalped), número final desta que é uma das séries mais aclamadas da década. Nada mais justo que aproveitar o momento para recomendar essa série magnífica para os colegas spellianos.

Resumo: Chamada de "Família Sopranos índigena", Escalpo é basicamente uma HQ policial, com boas doses de drama. Possui uma arte que mistura os estilos western e noir, e é roteirizada por Aaron Jason (disípulo do Ennis --sei que tem muitos fãs dele por aqui--).

Sinopse: Na década de 70 um grupo de ativistas indígenas da reserva Rosa da Pradaria matou dois agentes do FBI. Um deles foi preso, assumindo toda a culpa, mas os outros (principalmente o líder, Lincoln Corvo Vermelho) se safaram. Desde então o agente federal Nitz (amigo dos agentes assassinados) tenta conseguir provas que incriminem Corvo Vermelho, e tem agora sua maior chance ao infiltrar o agente Dashiel Cavalo Ruim, nascido na reserva, entre os homens do Chefe Corvo Vermelho.

Atenção: Escalpo é uma revista adulta, e contém cenas de sexo explicito, uso de drogas, assassinatos, palavrões, etc e tal. Se você tem, sei lá... menos de 14 anos, deixe essa resenha para lá.


Resenha: Escalpo é uma história adulta, mas não por seguir alguma fórmula de "matança + palavrões + sexo". Não que esses elementos não existam em Escalpo. Muito pelo contrário; eles abundam. Mas não de forma gratuita: certas cenas de sexo conseguem passar muito bem a aflição de personagens que sabem que estão na merda e cujo único escapismo é através de sexo e drogas. Quando há mortes, você não verá vísceras voando para todo lado. Não, Escalpo é adulto por tratar da falta de oportunidades, e como elas podem levar as pessoas ao fundo do poço, e por não ter vilões completamente maus: Corvo Vermelho mata qualquer um que entrar em seu caminho, e ele não se arrepende de nada do que fez. Mas isso não quer dizer que ele não fique com a consciência pesada. No arco "A fúria em suas entranhas" (escalpo #21 a escalpo #24) vemos Corvo Vermelho sendo responsável pelo "saquinho de alma" de uma amiga (segundo a tradição lakota é um saco que contém a alma de alguém que morreu. O responsável pelo saquinho deve levar uma vida harmoniosa para purificar a alma do falecido e prepará-lo para voltar ao Grande Espírito --Wakan Tanka--). Corvo Vermelho faz o possível para não desapontar sua amiga (ou sua avó, que lhe deu tal responsabilidade), mas no fundo ele faz o que faz por achar que é o melhor para a reserva (infelizmente, a maioria do que ele faz não é muito agradável).

(click to show/hide)

Por falar em "tradição lakota", a ambientação de Escalpo é digna de nota. A reserva Rosa da Pradaria é uma reserva Oglala Lakota, e muitas das tradições, crenças e história desta tribo são retratadas na HQ. Muitas falas (principalmente orações) são na língua lakota. Esta reserva em particular (fictícia) é tomada pela corrupção (principalmente por causa do chefão Corvo Vermelho), mas fora isso podemos ver claramente a imagem de uma sociedade deixada de lado pelo "mundo branco". A arte e colorização reforçam bastante essa imagem, abusando de cores quentes e imagens da paisagem desértica. O alto uso de sombras também contribui para o visual noir.

Quanto aos personagens, basta dizer que "todo mundo tem seus problemas". Seus passados são revelados de pouco em pouco, via flashbacks, e mesmo personagens secundários tem um alto grau de profundidade (vide a excelente história "Queda D'Água", em Escalpo #18). Já o protagonista é o personagem principal mais cheio de problemas que eu já vi (principalmente por causa de sua mãe), e é uma espécie de "cão raivoso".

(click to show/hide)

Aqui no Brasil, Escalpo é publicada pela Panini na revista mensal Vertigo. Estamos ainda no número 33 por aqui, então ainda há bastante água para rolar. Números antigos podem ser adquiridos no site da editora.

Nota:   :victory: :victory: :victory: :victory: :victory:

Todas as imagens de quadrinhos foram retiradas do site da Panini.
Sim, eu sou fanboy. E olha que eu nem sou muito fã do gênero.
« Última modificação: Agosto 23, 2012, 02:58:37 pm por Iuri »

Re:[HQ] Resenha: Escalpo
« Resposta #1 Online: Outubro 17, 2012, 12:09:32 am »
Já tinha ouvido falar de Escalpo, mas fui efetivamente atrás dele depois dessa resenha. E, sinceramente, não me arrependo. O clima criado pelos autores J. Aaron e R.M. Guéra são formidáveis, costurando o enredo como verdadeiros tecelões. É uma perspectiva totalmente diferente, num mundo "novo": o indígena americano na segunda metade século XX.


Pra quem gosta de quadrinhos, vale a pena dar uma olhada.
« Última modificação: Outubro 17, 2012, 09:17:16 am por Bispo »

Re:[HQ] Resenha: Escalpo
« Resposta #2 Online: Outubro 17, 2012, 12:17:10 am »
Hehe, é sempre bom saber que a resenha atingiu alguém ^^

Re:[HQ] Resenha: Escalpo
« Resposta #3 Online: Outubro 17, 2012, 07:05:46 pm »
Hehe, é sempre bom saber que a resenha atingiu alguém ^^

Digamos que foi o empurrãozinho final. Faltou vc falar de algumas coisas na resenha, como a rotatividade de desenhistas na arte da revista, por exemplo. Eu sou particularmente favorável a isto, mas tem horas que o artista da vez não dá conta do recado (como a #27 americana, desenhada pelo Francavilla).

Mas o que eu realmente mais gostei de Scalped é a imprevisibilidade do enredo. Não é um roteiro fechado, onde o autor pré-determinou começo, meio e fim da obra num esquema quadrático. Parece que a história tem vida própria - lembrando bastante Walking Dead, apesar da ironia -, onde o protagonista muitas vezes é deixado de lado. Segundo alguns, isso pode ser considerado uma falha, no caso, acho que é essencial pra narrativa: no fim, o Dashiell Bad Horse é só mais um tentando se encontrar na Prarie Rose. E isso é costurado quase milimetricamente pelos autores.