Autor Tópico: Religião - Tópico Permanente  (Lida 150806 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Finanças rejeita projeto que exige frase “Deus seja louvado” nas cédulas
« Resposta #975 Online: Outubro 16, 2013, 11:00:47 pm »
Citar
Finanças rejeita projeto que exige frase “Deus seja louvado” nas cédulas

A Comissão de Finanças e Tributação rejeitou nesta quarta-feira o Projeto de Lei 4710/12, que coloca na lei a obrigação de que as cédulas de real contenham a frase “Deus seja louvado”. A rejeição foi pedida pelo deputado João Magalhães (PMDB-MG), presidente do colegiado, por inadequação orçamentária.

Com isso, a proposta será arquivada, a não ser que haja recurso assinado por 52 deputados para que ela seja analisada pelo Plenário, que teria a palavra final.

Ação
A proposta foi apresentada pelo deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) depois que o Ministério Público Federal de São Paulo acionou judicialmente a União e o Banco Central, em 2012, para que a frase “Deus seja louvado”, presente nas cédulas desde 1994, fosse retirada por ferir os princípios de laicidade do Estado e de liberdade religiosa. Posteriormente, a justiça paulista negou a ação do Ministério Público.

Eduardo da Fonte apresentou a proposta para que a inscrição fosse mantida. O projeto altera a Lei 9.069/95, que instituiu o Plano Real. A norma não prevê que as cédulas devem trazer a frase “Deus seja louvado”, apesar de ela estar presente. O texto do deputado legalizava a inscrição.

Debate
O primeiro parecer do deputado João Magalhães, lido durante a reunião da comissão, pedia a aprovação da proposta, na forma de um substitutivo. O substitutivo determinava que a frase deveria trazer “tipos de tamanho superior à inscrição Banco Central do Brasil". Mas ele decidiu mudá-lo, e pedir a rejeição, depois da intervenção de diversos deputados.

Primeiro a falar, o deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que a mudança implicaria em recolhimento de todas as cédulas em circulação e substituição pelo novo modelo. Isso acarretaria custos orçamentários, não mencionados no projeto de lei e não previstos na lei orçamentária em vigor, como manda a legislação. Além disso, segundo ele, a frase “Deus seja louvado” já está presente nas cédulas de real.

Outros deputados argumentaram que a aprovação suscitaria polêmicas desnecessárias sobre a questão do estado laico. “Seria atiçar o debate no momento em que a questão está resolvida”, ressaltou o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR). O deputado Pedro Uczai (PT-SC) afirmou o mesmo. “Vamos manter como está para não criar uma polêmica maior.”

Diante dos argumentos, João Magalhães refez seu parecer e pediu a rejeição por inadequação orçamentária.

Íntegra da proposta: PL-4710/2012

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Marcos Rossi

Fonte: Agência Câmara Notícias
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Comissão aprova projeto que desobriga templo religioso a realizar casamento homo
« Resposta #976 Online: Outubro 17, 2013, 08:25:02 pm »
Citar
Comissão aprova projeto que desobriga templo religioso a realizar casamento homossexual

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias aprovou nesta quarta-feira (16) o Projeto de Lei 1411/11, que desobriga qualquer organização religiosa a efetuar casamento religioso em desacordo com suas crenças.

A proposta quer evitar que os religiosos sejam criminalizados caso se recusem a realizar casamentos homossexuais, batizados ou outras cerimônias de filhos de casais gays ou mesmo aceitar a presença dessas pessoas em templos religiosos.

De autoria do deputado Washington Reis (PMDB-RJ), a proposta acrescenta artigo à Lei 7.716/89, que define os crimes resultantes de preconceito. Atualmente, a lei estabelece que praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional é crime, sujeito à pena de reclusão de um a três anos e multa.

A proposta, que foi relatada pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), também deixa claro que não cometem crime as organizações religiosas que não aceitarem, em cultos, a permanência de cidadãos que violem seus valores, doutrinas, crenças e liturgias.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e ainda será avaliado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, inclusive no mérito.

Íntegra da proposta: PL-1411/2011
Da Redação – RCA

Fonte: Agência Câmara Notícias
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Malena Mordekai

  • Malena Mordekai Transphinx
  • everytime i close my eyes wake up feeling so h
    • Ver perfil
Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #977 Online: Novembro 26, 2013, 06:26:54 pm »
PM REPREENDE EM NOME DE JESUS uma caminhada de povo de santo



Citar
Agente de segurança pública, no uso das suas atribuições institucionais, não pode repreender em nome de Jesus, e sim, expor embasamento legal para adotar determinadas ações compatíveis a sua função.

Esta notícia é de um triste episódio do que aconteceu no domingo. A IX Caminhada pela Vida e Liberdade Religiosa contou com a presença maciça de religiosos de Matrizes Africanas, mas também de padres, pastores e espíritas que constroem um diálogo de respeito à diversidade religiosa e a nossa garantia constitucional de professar a nossa fé em um estado laico.

A triste nota, do evento, deve ao fato de que, apesar do apoio institucional da Polícia Militar, uma autoridade da área da segurança pública, representante do estado, fardada, agente da PM, uma sargento de nome Edjane começou a apresentar os sinais de provocação e inquietação com a Caminhada pela Vida e Liberdade Religiosa, solicitando a autorização da SUCOM, algo que sinceramente não competia e ela, masinconformada com a alegria e a presença de Religiosos de Matrizes Africanas cantando e dançando no Dique, ela demonstrou o que tanto a angustiava. A Intolerância Religiosa.

Após tentar desqualificar tão majestoso evento, que contou com apoios governamentais e de diversos veículos de comunicação, ao dizer que éramos desorganizados, o que eu demonstrei ser um equivoco dela, pois protocolamos os ofícios no dia 13 de setembro e todas as instituições estavam informadas e fizeram a sua parte como por exemplo a SEMUR que garantiu a isenção de taxas e a liberação do percurso e da SUCOM, ao perceber que não tinha razão e nem motivo para desqualificar a atividade e sim tentar dialogar internamente com a própria Instituição a que está vinculada, pois eu disse que a PM era uma das parceiras do evento e que se a sargente queria reclamar de algo, ou buscar algum tipo de desorganização, que ela reclamasse com a própria Instituição que faz parte e está vinculada, pois entregamos ofício dentro dos prazos pré estabelecidos e a Comissão de Coordenação da Caminhada fez uma reunião com o próprio comandante da Corporação.

Insatisfeita, alegando que eu estava nervoso, e eu, se estivesse, com certeza eu tinha motivo para tal, pois ela incorreu em erros seguidos de erros, ela resolveu por a mão em frente ao meu rosto e proferir a tradicional frase evangélica para expulsar os demônios "está repreendido em nome de Jesus". Uma pena é que ela representa a autoridade do Estado, mas esqueceu que o estado é laico e não compete nem a ela e nem a qualquer outra autoridade pública, se utilizar de elementos religiosos enquanto revestida do poder do Estado e representando o mesmo. Compete a qualquer agente público se valer da legalidade das leis, o que neste caso não aconteceu.

O motivo da denúncia no Jornal A TARDE é fazer uma reflexão de que mesmo com o apoio institucional da PM aconteceu este ato deplorável de um agente da instituição, então imagine, caro leitor, ao que as nossas irmãs e irmãos estão vulneráveis quando de madrugada fazem obrigações nas ruas, imaginem nas escolas quando professores intolerantes não aplicam a Lei 10.639/2003 por dizer que acarajé é coisa do demônio, quando nos hospitais não podemos fazer as nossos autos de fé com os nossos irmãos convalescidos, apesar de neste momento termos uma portaria que nos garante isto. De ainda não termos na PM uma capelania para os Religiosos de Matrizes Africanas.

Não podemos esquecer de Mãe Bernadete de Ilhéus que a aproximadamente 2 anos atrás foi colocada em cima de um formigueiro por um outro agente da PM e depois foi acorrentada a cela, ainda manifestada, os laudos comprovam as picadas das mordidas das formigas e até hoje não temos nenhuma resposta da Corregedoria. Imaginem Pai Anderson de Oxalá que em Lauro de Freitas teve o seu rosto encostado no capô quente do seu próprio carro, por questionar o tipo de abordagem violenta feita por um policial ao seu filho de santo e que até hoje a Corregedoria da PM também não nos deu resposta.

São importantes exemplos para ilustrar o cotidiano da nossa dor, mas também a coragem e a responsabilidade que temos com a nossa fé e tradição. Do que vale a vida de um religioso se não puder manter a sua fé?

Queremos salientar que o ato foi individual, durante todo o percurso da atividade contamos com o suporte da PM e o NAFRO/PM desempenhou como sempre um importante papel. Também vale conferir que neste ano, no dia 20 de novembro o Comandante da Polícia Militar do Estado da Bahia, o coronel Castro escreveu um belo texto que cabe ser postado aqui na íntegra:

Com muito orgulho podemos afirmar que nós, baianos, somos um povo negro. Por isso, hoje, Dia da Consciência Negra, é dia da Bahia se afirmar, se orgulhar e refletir sobre nossa condição enquanto povo negro. Principalmente nós, policiais militares, que lidamos com Direitos Fundamentais, devemos estar atentos para essa nossa grande peculiaridade, que deve estar inserida em nossas ações cidadãs.

Se a Bahia é o estado mais negro do Brasil, sem dúvida a PM/BA assume essa característica, e dela deve ter Consciência. Consciência da nossa coragem, consciência do espírito de corpo e de criatividade que o povo negro historicamente demonstra possuir.

Felizmente, o Brasil vem avançando no combate à discriminação racial, um tema significativo para que nós, policiais e bombeiros militares, estejamos atentos. Hoje, todos nós, com firmeza, do soldado menos antigo a este Comandante, devemos afirmar nossa missão: “proteger o cidadão, a despeito do seu credo, cor, gênero e posição social”.

Mas em tempo já deixo pergunta, será que a sargento Edjane e vários outros membros da Corporação leram o texto? Compete uma reciclagem de muitos da Corporação para que saibam que todos os da PM e fora dela somos cidadãos e cidadãs, vivemos em um pais diverso, com uma população culturalmente plural e de matrizes étnicas diferentes, e que temos que ser tratados de maneira igual, dentro da forma da lei.

Marcos Rezende https://www.facebook.com/marcos.rezende.7
DEVORAR PARA DECIFRAR
DEVOUR TO DECIPHER

https://www.furaffinity.net/user/transphinx/

interesses rpgísticos atuais: FATE, DnD 5e, GUMSHOE System, DnD 4e, Storytelling System (CoD), Powered by the Apocalypse, UNSAFE

Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #978 Online: Janeiro 07, 2014, 03:06:50 am »
Well, algo bem tradicional, só que ao invés dos tradicionais Republicanos, agora os Democratas querem colocar orações em escolas.


Offline POKÉTHULHU

  • kinn + publicano
  • HIDRA
    • Ver perfil
Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #979 Online: Fevereiro 12, 2014, 11:16:50 pm »
Não é sensato pôr muitos Hastursauros na mesma sala!

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Praticantes de candomblé e umbanda denunciam discriminação do Estado
« Resposta #980 Online: Junho 10, 2014, 10:24:09 pm »
Citar
Praticantes de candomblé e umbanda denunciam discriminação do Estado

Representantes de religiões de matriz africana entregam ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, carta em que denunciam a discriminação do Estado brasileiro contra praticantes de candomblé e umbanda
O presidente Henrique Eduardo Alves (E) convidou os religiosos a voltarem à Câmara em julho para discutir o tema.
Representantes de religiões de matriz africana entregaram, nesta terça-feira (10), ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, carta em que denunciam a discriminação do Estado brasileiro contra praticantes de candomblé e umbanda. Dezenas de religiosos estavam reunidos no Salão Verde quando encontraram o presidente.

Marcos Rezende, do Coletivo de Entidades Negras, explicou a Henrique Eduardo Alves que a intolerância às religiões de matriz africana tem aumentado no Brasil. "Esta carta tem casos de intolerância no Brasil inteiro. Vamos entregar na Presidência um documento com mais de trezentos casos de intolerância religiosa no Brasil, com notícias de pessoas que morreram, foram violentadas”, afirmou.

“O dia 21 de janeiro é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Gostaríamos que esta Casa, inclusive, reconhecesse a importância do dia 21 de janeiro como um dia para ser discutido com profundidade nesta Casa", defendeu.

Audiência
Em resposta, o presidente Henrique Eduardo Alves convidou os religiosos a voltarem à Câmara em julho em uma audiência na Presidência: "Em julho, vamos ter duas semanas de trabalho normal até o dia 15 [de julho]. Vamos marcar em uma semana em julho um encontro aqui".

Diálogo
Essa foi a segunda vez em poucas semanas que defensores das religiões de matriz africana participaram de ato no Congresso. No fim de maio, eles estiveram na Câmara para o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Tradicionais de Terreiro.

A ocupação de espaços públicos em Brasília vem em um momento em que essa comunidade luta pelo reconhecimento da liberdade religiosa e o respeito aos lugares de culto e a seus sacerdotes, como destaca Marcos Rezende.

"Voltaremos aqui com muita frequência porque o que nós precisamos é que esta Casa entenda que este Brasil precisa dialogar com todas as religiões”, ressaltou. “Este é um Estado laico e como tal tem que garantir a liberdade religiosa conforme prevê a Constituição e fazer com que se tenha harmonia, porque não conheço religião que pregue o desamor."

No YouTube
Marcos Rezende lembrou os vídeos discriminatórios postados no site YouTube recentemente, cuja veiculação foi mantida em decisão judicial polêmica. Na ação, um juiz negou pedido do Ministério Público Federal para retirar o material da internet, considerado ofensivo a essas religiões.

Na decisão, o juiz afirmou que umbanda e candomblé não eram religiões. Depois de forte reação negativa, o magistrado modificou a argumentação, porém continuou negando a retirada dos vídeos porque, segundo ele, a liberdade de expressão estaria em jogo.

Rezende também criticou o fato de canais de rádio e TV, resultado de concessão pública, manterem programas com teor discriminatório às religiões de matriz africana.

Reportagem – Ana Raquel Macedo
Edição – Newton Araújo

Fonte: Agência Câmara Notícias
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Preso em semiaberto poderá fazer trabalho em instituição religiosa
« Resposta #981 Online: Agosto 29, 2014, 10:15:32 pm »
Citar
Preso em semiaberto poderá fazer trabalho em instituição religiosa

A Câmara analisa o Projeto de Lei 6933/13, do deputado Lincoln Portela (PR-MG), que permite ao preso condenado a regime semiaberto prestar serviço voluntário junto a obras confessionais, como creches e asilos.

Atualmente, o Código Penal (Decreto-lei 2.848/40) admite o trabalho em colônia agrícola ou industrial, além de serviço externo ou estudo em curso profissionalizante, de ensino médio ou superior.

De acordo com o parlamentar, dezenas de estudos de acadêmicos destacam a importância do trabalho assistencial e do exercício da religião no processo de reintegração do preso à sociedade.

Portela ressalta ainda o alto índice de conversão nos presídios do País, que ressalta a ligação evidente do transcendental diante da opressão e do sofrimento. “É consenso que a religião, de uma maneira geral, objetiva afastar o homem dos grupos de riscos e, por consequência, o afasta do banco dos réus”, afirmou o parlamentar.

Esse modelo de tratamento para presos traz, na opinião do deputado, resultados positivos, como baixíssimos índices de fuga e de violência interna.

Tramitação
A proposta tramita apensada ao Projeto de Lei 704/95, que institui um novo marco penal para o trabalho executado por presos em regime fechado ou semi-aberto. O texto principal foi aprovado pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado em 2008 e será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça, em regime de prioridade, antes de seguir para o Plenário.

Íntegra da proposta: PL-6933/2013

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Rachel Librelon

Fonte: Agência Câmara Notícias
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #982 Online: Setembro 09, 2014, 11:17:27 am »
Citar
Os filhos das trevas e da feiúra

"Tá aqui o boleto, o Senhor Jesus agradece”.
R.R. Soares

Aí o sacana do missionário “interpreta” uma parábola qualquer da Bíblia, faz a associação com uma imagem caseira e brega, e diz pros incautos, entre outras grosserias, que Deus não é contra os homossexuais, mas contra a prática homossexual. Para corrigir “o desvio”  - ele deixa bem claro - basta o otário parar de dar a bunda e comprar o pacotão da tevê evangélica.

Tem pacote pra macumbeiro, pra corno, pra pinguço, pra paralítico, menos pra gente burra. As palavras do missionário levam os jagunços, digo fiéis, ao transe. Uma espécie de nazi-convulsões. Êxtase. Terror e êxtase (parafraseando Carlinhos Oliveira) nas Casas Bahia da Fé.  Muito triste ver aquela gente travada e sofrida oferecendo-se  à “glorificação do “Senhor Jesus”.
O êxtase neo-evangélico é o contrário de uma celebração no candomblé, onde o humano e o sobrenatural se entrelaçam numa mistura de alegria e lubricidade. Nos templos dos bispos e podólogos de Jesus, a beleza da comunhão transforma-se em histeria e breguice. Em outras palavras: a natureza do transe é luxuriosa, e alguma coisa desafina quando um pastor vestido de pedicuro tenta controla-la. Daí que o êxtase vira mico. Daí a obsessão de destruir os terreiros de macumba: uma guerra da feiura contra a beleza.
Os neo-evangélicos não ascendem, mas se desfiguram. Sobram apenas as faturas do boleto bancário. A barangagem oferece suas almas ensebadas e estupradas pelo pastor do capeta para um acuado “Senhor Jesus”; Ele mesmo, há dois mil anos crucificado para salvar os homens e agora refém da histeria dos Podólogos de Deus.
Falta calcinha vermelha a essa gente, falta tesão.
Nem vou falar nos depoimentos dos irmãos e irmãos: “a novela da vida real”. Tudo muito constrangedor, anti-cinematográfico e sem um pingo de humor. Os roteiristas do missionário riscam do mapa a possibilidade de existência de um Paul Schrader, de um Charlie Kaufman.
Esse pastores, bispos, missionários e o diabo que os valham pretendem zerar a beleza criada pelos homens: comungar com o Jesus deles é aceitar que jamais um ser humano inteligente pisou sobre a face da terra. 

Pobre Jesus. Que - em tese - depois de ter se fodido de verde e amarelo aqui nessa terra de iniquidade e trairagem, ainda – vejam só - teria de dar guarida ao grito desesperado de almas jagunças e ignorantes. Aí é que a porca torce o rabo. Otário não entra no reino nos céus.
         
Jesus não vai amparar nem dar guarida àqueles que se regozijam de ser manipulados, àqueles que pagam dízimo ao diabo.   

Uma coisa vos digo, medonhos: Deus não se compadece de almas apagadas. Tá lá no Sermão da Montanha:  “Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens”.

Sermão da Montanha, ibidem: uma coisa é chorar, outra é se humilhar perante pastores velhacos. Acorda bestalhão! Você não está sendo consolado, está sendo pisado, explorado. Seja manso, não seja trouxa. Os mansos herdaram a terra, os trouxas o capim que foi semeado pelo diabo. Para falar com Deus você precisa olhar para os céus, portanto ore, não paste.

Para terminar, quero dizer que minha preocupação não é um(a) presidente neo-evangélico, mas um Congresso e um Senado dominado pelas trevas que já possuem suas próprias falanges, emissoras, jornais, milagres, gado e advogados.

-  De onde você vem?
-  Venho do deserto.
-  Qual o seu nome?
-  Meu nome é legião.

Pensem nisso, e fiquem com Deus.
         
P.S.: Acabo de lançar um romance cujo título é “Hosana na Sarjeta” (editora 34). Se você, crente, leu essa crônica e não gostou, bem, tenho certeza que vai ficar apavorado com o livro. Compre e queime!   
   

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/blogs/marcelo-mirisola/os-filhos-das-trevas-e-da-feiura-142106937.html
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #984 Online: Outubro 22, 2014, 11:36:06 pm »
Citar
Muitas crianças tailandesas vêm ao mundo com lembranças de suas vidas passadas, uma crença budista arraigada sobretudo nas zonas rurais. Nopporn Jairaew aos dois anos de idade revelou a seus pais que em sua existência anterior morreu por conta de um disparo após entrar para roubar uma casa. No começo seus pais custaram a acreditar na história contada pelo menino, que insistia inclusive que, naquela vida, seu nome era Teep. "Para provar se Nopporn era a reencarnação de Teep, o levamos ao médico. Então, descobrimos que ele tinha três marcas no corpo. Mas marcas na mandíbula e na cabeça seriam do disparo que o matou em sua vida anterior", explicou a Efe sua mãe,

Por curiosidade - a Tailândia é um dos países majoritariamente adeptos do ramo theravada do budismo - e a crença nesse tipo de renascimento é comum no budismo theravada ocidental? Eu não nego que ainda sou relativamente ignorante quanto ao budismo, mas a forma como foi noticiada lembra muito mais a reencarnação hindu do que a que conheço(que admito, é a versão sanitizada e secularizada ocidental).

EDIT: Sim, eu tenho ciência que há um sincretismo entre crenças nativas/ancestrais com budismo em diversas regiões asiáticas (okay, no globo inteiro), mas fico curioso quanto a perspectiva do "budismo ortodoxo".
« Última modificação: Outubro 23, 2014, 12:45:17 am por Khalid al-Walid »

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Ações judiciais que envolvam instituições religiosas poderão ter prioridade.
« Resposta #985 Online: Janeiro 06, 2015, 09:15:50 pm »
Citar
Ações judiciais que envolvam instituições religiosas poderão ter prioridade.

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 7747/14, que dá prioridade em todas as instâncias judiciais para ações que envolvam como parte ou como interessada instituição religiosa.

Pela proposta, do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a instituição (pessoa jurídica) interessada na obtenção do benefício, após comprovar sua condição, deverá requerê-lo à autoridade judiciária competente. De acordo com o texto, o juiz decidirá sobre o regime de tramitação prioritária e determinará ao cartório as providências a serem cumpridas.

Atualmente, o Código de Processo Civil (Lei 5.869/73) prevê tramitação prioritária apenas para procedimentos judiciais nas quais a parte ou o interessado seja pessoa com idade igual ou superior a 60 anos ou portadora de doença grave.

Segundo o deputado, os templos religiosos são vítimas de muitas ações judiciais e possuem demandas que levam anos para serem solucionadas. “Como o seu interesse é público e denota justiça social, é preciso atribuir preferência a essas associações nos processos judiciais em que atuem”, defende Cunha.

Tramitação
O projeto será arquivado pela Mesa Diretora no dia 31 de janeiro, por causa do fim da legislatura. Porém, como o seu autor foi reeleito, ele poderá desarquivá-lo. Nesse caso, o texto precisará ser analisado, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta: PL-7747/2014

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Marcelo Oliveira

Fonte: Agência Câmara Notícias
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Re:Religião - Tópico Permanente
« Resposta #986 Online: Abril 05, 2015, 04:32:24 pm »
Como estamos nesse período do ano, um ótimo infográfico sobre a Páscoa e o que transcorre segundo a Ortodoxia Bíblica:


« Última modificação: Abril 05, 2015, 04:34:38 pm por Khalid al-Walid »

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Universal é condenada a indenizar ex-fiel após prometer cura para Aids
« Resposta #987 Online: Setembro 08, 2015, 11:40:54 pm »
Citar
Universal é condenada a indenizar ex-fiel após prometer cura para Aids

A Igreja Universal do Reino de Deus será obrigada a pagar uma indenização de R$ 300 mil a um ex-fiel. A alegação é que ele abandonou o tratamento contra a Aids, contaminou sua mulher e chegou à beira da morte após frequentar cultos da igreja. As informações são da Folha de S.Paulo.

De acordo com a Justiça gaúcha, o homem de 36 anos, que teve sua identidade preservada, foi convencido por pastores da IURD que se livraria do HIV através da fé em Deus e de doações à Igreja. Após ouvir isso, o ex-fiel abandonou seu tratamento e viu sua condição deteriorar.

“Os pastores diziam que a medicina estava desatualizada, levavam testemunhos de gente que se curou de câncer, Aids. Quando as pessoas não aceitam doar seus bens, dizem que tem um espírito ruim que não está permitindo”, contou Lucas (nome fictício adotado por ele) ao comentar o caso para a Folha.

Além dos remédios, Lucas conta que também parou de fazer sexo usando camisinha com sua esposa. Segundo ele, ainda doou um televisor e um computado à Igreja, uma vez que um pastor havia sugerido um “sacrifício” em nome da fé para alcançar a cura da Aids.

Do outro lado da história, a Universal declarou que Lucas deixou de tomar os remédios para a Aids “voluntariamente, sem coação alguma” e que “apenas pregam a possibilidade de cura das enfermidades, de acordo com as orientações bíblicas, mas não prometem a cura”. Por fim, a Igreja ainda considerou “absurda” a alegação de que estimulou o ex-fiel a não usar preservativos em suas relações.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/universal-%C3%A9-condenada-a-indenizar-ex-fiel-ap%C3%B3s-prometer-cura-para-aids-150723050.html
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
Mãe mantém filho de 12 anos acorrentado em igreja à espera de exorcismo.
« Resposta #988 Online: Outubro 31, 2015, 05:52:21 pm »
Citar
Mãe mantém filho de 12 anos acorrentado em igreja à espera de exorcismo.

O desespero pode levar uma mãe a fazer de tudo? No caso de uma família peruana que vive na pequena cidade de Tarapoto, sim. As informações são do Mirror.

Na cidade, circula com bastante choque a notícia de que Deisith Tapulima amarrou seu filho em uma igreja. O motivo seria que a criança de 12 anos estava possuída pelo demônio e precisava de ajuda.

Segundo a mãe, a história não é nova. Há dois anos que seu filho, segundo suas próprias palavras, “age como um animal que mal consegue falar e que muitas vezes foge de casa”. Por isso, ela acredita que o problema é espiritual.

Dany, a criança, ficou durante dias acorrentado a uma igreja esperando que alguém o exorcizasse. Segundo a mãe, as correntes servem para que ele não fuja, pois em sua última fuga precisou de cinco homens para ser contido.

O atendimento dos religiosos, porém, não mudou muito a situação da criança. Como continuou se comportando da mesma maneira, ficou acorrentado no mesmo local para que os monges rezassem por ele três vezes ao dia.

Os locais afirmam que os padres dizem que não sabem quando soltarão o menino das correntes. Isso porque, segundo eles, o garoto ainda não se comporta normalmente e já inclusive quebrou cadeados e correntes com uma força surpreendente para alguém de seu tamanho.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/blogs/eita/m%C3%A3e-mant%C3%A9m-filho-de-12-anos-acorrentado-em-igreja-%C3%A0-espera-de-exorcismo-141038918.html
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed

Offline Assumar

  • Quid inde?
    • Ver perfil
proposta que dispensa igrejas de licitação
« Resposta #989 Online: Novembro 01, 2015, 12:04:35 am »
Citar
CCJ rejeita proposta que dispensa igrejas de licitação

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados rejeitou, no último dia 20, proposta que dispensa de licitação as concessões de uso de bens públicos a entidades religiosas ou filosóficas sem fins lucrativos. A medida está prevista no Projeto de Lei (PL) 3740/00, do Senado, que poderá ser arquivado em razão de o parecer da CCJ ser terminativo, a menos que haja recurso para que seja votado pelo Plenário.
O relator na comissão, deputado Décio Lima (PT-SC), recomendou a rejeição da matéria por inconstitucionalidade e injuridicidade.

Na avaliação de Décio Lima, a concessão do benefício apenas às entidades religiosas e filosóficas é uma afronta aos princípios constitucionais da igualdade e da impessoalidade. “A Constituição insta a administração pública a oferecer a todos igualdade de oportunidades nas licitações e nas contratações. Por meio dessa equanimidade, busca-se a obtenção da melhor solução para a administração e a sociedade”, observou o relator.

Ele argumentou ainda que as políticas sociais, antes assumidas pelas entidades religiosas e filantrópicas, são hoje amparadas por leis: “As antigas redes de entidades religiosas continuam tendo papel relevante, mas em um contexto em que o Estado, a sociedade e os prestadores de serviços conformam um sistema democrático e descentralizado, em áreas como a saúde e a assistência social.”

Décio Lima argumenta que o projeto de lei trata as religiões sem considerar a mudança trazida pelo novo Código Civil (Lei 10.406/02), que separou as pessoas jurídicas de direito privado “organizações religiosas” e “associações”. Antes elas figuravam juntas na lei. Assim, a proposta acabaria por afrontar a Constituição no item que proíbe o Estado de subvencionar entidades religiosas.

Em outro ponto, o relator observou que não há como identificar as entidades filosóficas citadas no texto, pois não são reconhecida, nem conceituadas na legislação.

Parecer vencedor
O deputado Décio Lima foi relator do parecer vencedor, uma vez que o parecer original, do deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), pela aprovação do projeto com emendas, foi rejeitado pela comissão. O parecer de Fonseca tornou-se, então, voto em separado.

Antes da rejeição na CCJ, a proposta havia sido aprovada pelas comissões de Trabalho, de Administração e de Serviço Público; e de Finanças e Tributação.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição - Luciana Cesar

Fonte: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/498907-CCJ-REJEITA-PROPOSTA-QUE-DISPENSA-IGREJAS-DE-LICITACAO.html?utm_campaign=boletim&utm_source=agencia&utm_medium=email
"Sonhos são o que temos." Jojen Reed