Autor Tópico: Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis  (Lida 16176 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #30 Online: Dezembro 13, 2013, 11:02:41 pm »
Desculpem a demora, perdi o pendrive do jogo (mas achei, graças aos deuses!) e meu PC, que tinha o backup, estava no conserto. Ai vai a sessão 2.

Um jogador me prometeu um texto sobre essa sessão,do ponto de vista do PC dele, mas ta me enrolado... se ele fizer, coloco aqui retroativamente.
« Última modificação: Dezembro 14, 2013, 12:13:35 am por Quantico »

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #31 Online: Dezembro 14, 2013, 12:08:52 am »
SESSÃO 1.2 - "Bem-vindos a Trama" (26/9/07 no jogo)

-O treinamento é duro. O único dos outros cadetes que mais se aproxima é Jimmy, que fala dos Illuminati: um grupo rival da Trama, uma conspiração de pessoas poderosas que querem aumentar seu poder.

 -Marcelo e Fernan tentam flertar com uma mulher do outro grupo, a Cadete G (todos os cadetes são chamados por uma letra do alfabeto), Mireya.

- Os PCs discutem e decidem que o ritmo de treino está intenso demais. Caio aparece 1 mês depois, e eles dizem o quão descontentes estão. Caio pede para eles agüentarem mais dois meses que ele tentará conseguir folgas mais freqüentes.

- Fernan fica na ilha para xeretar, e o que de mais interessante descobre é o sobrenome de Jimmy - Kudd. Os outros vão a um balneário com Alfredo e passeiam pela Cidade do Panamá. Pesquisando na Internet, Fernan descobre que Edgard Kudd é o nome de um dono de uma agência de detetives na Inglaterra.

- Mais um mês se passa, e na noite que os outros cadetes vão embora (eles estavam em uma segunda fase do treinamento, que terminava antes), Marcelo bate na porta de seus dormitórios e os convidam para uma festinha com bebidas que eles compararam. Só um cadete chamado Bolaños aceita. No dia seguinte, Caio liga e avisa que conseguiu as folgas.

- Os meses passam, e eles vão completando o treinamento básico da Trama. Há alguns episódios onde os poderes de Tsuruji se descontrolam, mas os professores estão preparados. Com as folgas extras e os tropeços nas matérias, eles se atrasam 2 meses.

- Um dia Caio aparece com um outro agente chamado Mnemonic, que é um meta-humano com poderes de manipulação de memórias. Caio fala do Protocolo de Segurança (veja o quadro abaixo). Marcelo e Cassiano aceitam, Fernan recusa e vai embora da ilha com Caio. Tsuruji pede para conversar com Mentor, eles o fazem no dia seguinte, Tsuruji se convence;

- Mentor passa a ministrar o treinamento  de habilidades meta-humanas e dá dicas aos outros PCs de como lidar com os surtos de Tsuruji. Eles completam o treino. No total, ficaram 284 dias na ilha.

- São informados que haverá uma festa comemorando a "formatura" deles, em um sítio no Rio de Janeiro. Eles pedem para chamar todos os outros cadetes. No dia seguinte, na festa, Fernan e Mireya comparecem.

- Jimmy testemunha o sequestro de Caio, que aconteceu do lado de fora do sítio, e conta para os PCs. Um homem que participou do sequestro foi ferido e ficou para trás. Cassiano usa seus poderes para descobrir na mente do homem que ele é um Illuminati, e a localização de Caio

- No caminho, um homem que diz se chamar Kudd fala com eles por celular e dá algumas instruções. Sob a liderança de Mireya, Cassiano e Marcelo agem em conjunto e abatem os agentes na sala. Os outros usam seus poderes para agirem sozinhos. Fernan é descoberto em sua forma de fumaça.

- No andar de cima, Tsuruji encontra uma mulher amarrada. Eles descobrem que ela é esposa de Caio. Marcelo é atacado por um agente com uma arma de som, mas consegue abate-lo Tsuruji encontra um laptop, e tenta entrar na conta de e-mail do usuário. Cassiano entra na mente de um dos agentes capturados e descobre que Caio está no porão. 

Citar
O Protocolo de Emergência

A Trama tem um procedimento padrão de inserir um gatilho mental em seus agentes através dos poderes do agente Mnemonic. Tal gatilho é ativado quando o agente ouve as palavras “Passe pela porta azul, [Nome do agente]”. Também pode ser ativado se o agente se concentrar por 1 minuto e realizar um teste de Vontade, enquanto se imagina em uma sala, com uma porta vermelha e outra azul, e passa pela porta azul. Ambos têm o mesmo efeito: o agente esquece tudo que se passou em sua vida até 1 dia antes de ser contatado ela Trama.

A verdade completa não é dita para os agentes, especialmente para os mais novos. Não se fala sobre o gatilho verbal, e diz-se que ele esquecerá apenas fatos relativos à Trama. Os agentes não são obrigados passar pelo procedimento, mas caso se recusem, serão relegados a agentes de apoio e nunca irão à campo.

Depois que o Protocolo é aplicado, é possível revertê-lo. A Trama só fará isso se for de seu interesse recuperar o agente.

Quando o protocolo for ativado pelo gatilho verbal, o alvo tem que fazer um teste de Von-10;

Os resultados dependem de sua margem de falha:

Sucesso: fica mentalmente atordoado, Von-10 por turno para recuperar.
1-3: Como o anterior, só que perde toda a memória. Pode fazer testes de recuperação diários.
4-6: Como o anterior, só que os testes de recuperação são mensais.
7-9: desmaia por 5d minutos. Testes de recuperação anuais.
10 ou mais: como o anterior, só que a perda de memória é permanente.

Testes de recuperação: é um teste de Von-10. Se passar, lembra de alguma memória, quanto maior a margem de sucesso, mais nítida. Se falhar em 3 testes de recuperação seguidos, passa a fazer testes uma categoria de tempo maior. Se estiver fazendo testes anuais e falhar 3 vezes seguidas, as memórias estarão perdidas para sempre.

Se alguém com a perícia Psicologia ou Hipnotismo estiver ajudando a vítima a recuperar a memória, pode adicionar sua margem de sucesso no teste da Perícia para aquele teste de recuperação específico, até um máximo de +5. Se falhar criticamente, o teste de recuperação falha.

Todas as perícias que a vítima aprendeu durante o período que foi apagado estão submetidas a -4 (se forem baseadas em Destreza ou Vitalidade), ou não podem ser acessadas (baseadas em Inteligencia).
« Última modificação: Janeiro 29, 2014, 01:02:41 pm por Quantico »

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #32 Online: Dezembro 14, 2013, 06:15:41 pm »
Sessão 1.3 “Salvador” (2/7/08 no jogo)


- Eles descem até o porão, e descobrem que seus poderes não funcionam lá. Eles acreditam que seja uma Sala de Contenção de Meta-Humanos, sobre a qual aprenderam em seu treinamento. Tsuruji sai do porão e tenta desativar a sala com um pulso eletromagnético.

- Os outros entram e são emboscados por homens armados. Ao fundo da sala, podem ver um homem amarrado a uma cadeira. Cassiano cai atingido por um Neutralizador (veja quadro abaixo). Fernan, do lado de fora do porão, dispara rajadas de vento. Marcelo tem problemas com uma rede que cai sobre ele e com o chão oleoso. Tsuruji faz seu truque, mas o efeito não é totalmente como esperado, os poderes de todos voltam a funcionar, mas ficam erráticos. Os neutralizadores se tornam inúteis.  Caio então, para surpresa de todos, levanta-se da cadeira em que parecia estar amarrado, e pede para eles se acalmarem.

- Caio esclarece que tudo não passou de uma simulação, um teste final para saber se eles estavam preparados para ação de verdade. Os Iluminnatis são uma invenção. Fernan acha um absurdo o trote e discute com Caio. Tsuruji se revolta e voa aleatoriamente. Os outros são mais compreensivos.

- Eles passam uma semana com a família. Tsuruji tem dificuldades para esconder a verdade de seus pais, mas se avô parece compreender que ele não está fazendo nada de errado, e o ajuda. Ficam sabendo que terão direito a mais uma semana, onde quiserem, com tudo pago. Tsuruji decide ficar em casa com a família. Cassiano e Marcelo vão para Las Vegas, e com a ajuda do intelecto superior de Cassiano, ganham um bom dinheiro. Marcelo ainda tem um tempo para um affair com Mireya quando volta ao Brasil.

- No Brasil, conhecem o agente Sonjo (novo personagem jogador que entra no lugar de Fernan, veja seu historico abaixo). Escolhem seus codinomes: Lutor (Marcelo), Silva (Cassiano), Tetsuo (Tsuruji). Ficam sabendo da  sua primeira missão: proteger João Carlos Salvador, um vereador do Rio de Janeiro, candidato a prefeito, que denunciou um esquema de corrupção. A denuncia de Salvador afetou pessoas muito poderosas, e ele agora está na mira de um grupo de assassinos meta-humanos, conhecidos como Clã das Sombras. Eles trabalharão numa empresa de fachada chamada Void, e serão chefiados por Frank.

- Eles se disfarçam, para parecerem mais velhos, e vão conhecer Salvador, que fica desconfiado de suas idades. Cassiano lê sua mente e acredita que ele é sincero em seus modos amistosos.

- Vão com ele a uma visita a um grupo de cadeirantes, onde nada demais acontece. À tarde, em uma sabatina de alunos em universidade, um aluno mais exaltado causa problemas, mas Sonjo contorna a situação.

- De noite, há um debate com outros candidatos, e o clima é tenso. Durante o debate, um dos debatedores fala algo como “isso é o que acontece quando mexem conosco”, saca uma arma e atira em Salvador. Ele se transforma em um pássaro e foge. Sonjo o persegue, mas é despistado. Cassiano acode salvador. Marcelo, com outro agente, consegue controlar o desespero da multidão que assitia ao debate. Tsurji detecta que há um meta-humano entre a multidão, mas quando vão abordá-lo, ele se transforma em pássaro novamente e foge. Sonjo atira no no pássaro com um neutralizador e o abate.

- Eles armam um plano para distrair a imprensa: colocam as as roupas de Salvador em um agente, que é levado pela porta da frente, enquanto saem com Salvador muito ferido e o assassino abatido pela porta dos fundos. Os PCs levam o assassino para a sede da Trama, e Cassiano descobre em sua mente que ele se chama Doppelganger, e foi mandado por um homem chamado Executor, líder do Clã das Sombras.

Citar
O Neutralizador

É uma arma desenvolvida pela Trama, com o objetivo de neutralizar adversários sem arriscar suas vidas. Parece uma pistola comum, mas um teste de Per -2 revelará diferenças. Dispara projéteis que se agarram a pele do alvo, liberam uma descarga elétrica e injetam um potente tranqüilizante. Cada projétil causa 1d-3 de dano por queimadura e exige um teste do alvo de Vitalidade-4 para não atordoar. O tranquilizante obriga um teste de Vitalidade-6, se falhar fica Sonolento (-2 na Destreza, Inteligencia e auto-controle) por 24 h, se falhar por 5 ou mais, cai no sono.

O Neutralizador é feito em maior parte de polímeros especias, que o tornam dificil de ser detectado por detector de metais.

Tem Precisão 2, alcance 200m, pesa 1,5 kg carregada, Recuo 1,  Cadencia 3, Magnitude 2, Força Mínima 7, 15 balas que demoram 3 segundos para recarregar o cartucho.
« Última modificação: Janeiro 29, 2014, 01:01:22 pm por Quantico »

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #33 Online: Dezembro 17, 2013, 05:19:38 pm »
Kuan Fen Pak
(Agente Sonjo)

Jogador: Caetano


Histórico

Kuan é um artista marcial coreano, ex-membro de gangue. Levava uma vida de violência e auto-destruição, em arenas de lutas ilegais. Tudo mudou quando, aos 22 anos, a Trama o recrutou. Ele abraçou plenamente os princípios da organização, e hoje, com 24 anos, é um dos seus agentes mais devotados.

Personalidade: Kuan é uma pessoa simples, humilde, de poucos sorrisos e muita dedicação a treinamentos. Ele tem um visão de si mesmo bastante depreciativa, crendo que  a única coisa que ele é bom em fazer é machucar as pessoas. Essa visão se intensificou mais ainda quando seus poderes depertaram. Quando entrou para a Trama, enxergou aí uma oportunidade  de expiar seus pecados, e hoje segue cegamente a organização. Kuan é muito duro consigo mesmo quanto a falhas cometidas, e é capaz de grandes sacrifícios para cumprir suas missões ou ajudar o próximo.

Poderes

Atributos Físicos Ampliados:  Os poderes de Kuan elevaram sua força, resistência e especialmente sua destreza. Ele também é muito resistente a dor.

Aura de Energia Corrosiva: Kuan é capaz de envolver-se em uma aura de uma estranha energia, de cor roxa. Qualquer um que toque Kuan, ou que seja tocado por ele, automaticamente sofre dano corrosivo, como se atingido por ácido. A aura ainda concede boa proteção contra ataques de energia, aumenta a força e velocidade de Kuan e o torna capaz de dar grandes saltos. Kuan pode envolver apenas partes de seu corpo com, como punhos e pés, o que ele faz normalmente para aumentar o dano de seus socos e chutes.
   A aura exige muito fisicamente para ser mantida, e após 3 minutos ativa, Kuan começa a corre o risco de desmaiar de cansaço. Algumas vezes, Kuan não consegue desativar a aura imediatamente, o que pode ser muito perigoso para sua saúde.

Esfera de Energia: Kuan pode lançar uma esfera de energia corrosiva contra seus adversários.

Leque de Energia: Kuan pode moldar  sua energia para gerar um ataque em cone, que tem curto alcance mais atinge vários alvos.

Velocidade Ampliada: Kuan pode envolver seus pés em sua energia, tornando-se capaz de correr duas vezes mais rápido.

Leitura de Aura: Kuan é capaz de enxergar a “aura” das pessoas, podendo saber, de forma superficial, as emoções que estão sentindo no momento. Este poder também é útil para discernir mentiras e descobrir impostores.

Escoamento de Energia: a aura de Kuan tem um ponto fraco, tornando-o vulnerável a ataques que afetem sua energia pessoal. Todo ataque que cause dano de fadiga a ele tem seu efeito duplicado.


Ficha (505 pontos)

Força 13; Destreza 18; Inteligência 11; Vitalidade 14.

Pontos de Vida 13; Vontade 13; Percepção 13; Pontos de Fadiga 16.

Velocidade Básica 8; Deslocamento Básico 8; Esquiva 12; Aparar 13 (Carate).


Vantagens

Idiomas: Coreano (Língua Nativa); Inglês (com Sotaque); Japonês (com Sotaque); Mandarim (com Sotaque/Analfabeto) [2]; Português (com Sotaque)

Reflexos em Combate; Treinado por Mestre; Resistência a Dano 1 (Rijeza);

Vantagens do Poder (Controle de Energia Corrosiva)

Ataque de Corrosão (Aura Corrosiva) 2 (Aura; Custa Fadiga
4 (por minuto); Corpo-a-Corpo: Alcance C ; Efeito Seletivo (pode ativar a aura em partes do corpo); Super; Inconstante (regra alterada: testes são para desativar em vez de ativar) (14 ou menos).
Força de Levantamento 5 (Apenas com Outra Habilidade; Super).
Força de Golpe 5 (Apenas com Outra habilidade; Super).
Super Salto 1 (Apenas com Outra Habilidade; Super).
Resistência a Dano 8 (Apenas com Outra Habilidade; Defesa Limitada: Ataques de Energia; Super) .
Velocidade Básica Extra (Apenas com Outra Habilidade; Super).

Ataque de Corrosão (Esfera de Energia) 5 (Ataque Alternativo (Aura); Custa Fadiga 1; Alcance Ampliado (1/2D Alcance apenas) (×10);Alcance Reduzido (×1/5);Super)

Ataque de Corrosão (Leque de Energia) 5 (Ataque Alternativo (aura); Cone 2; Custa Fadiga 1; Alcance Ampliado (1/2D Alcance apenas) (×10); Alcance Reduzido (×1/10); Super);

Deslocamento Ampliado (Solo) 1 (Habilidade Alternativa (Aura); Custa Fadiga 2 (por Minuto); Super);

Destreza Extra 5 (Super); Vitalidade Extra 2 (Super);Força Extra 2 ( Super); Hipoalgia (Super).

Sensitivo (Base Sensorial (visão); Super)

Benefícios:  Familiaridade com Estilo (Jeet Kune Do); Familiaridade com Estilo (Jujutsu - Brazilian Jiu-jitsu); Familiaridade com Estilo (Karate - Shotokan); Familiaridade com Estilo (Kempo); Familiaridade com Estilo (Muay Thai); Familiaridade com Estilo (Taijutsu).

Desvantagens

Código de Honra (Pessoal); Dependente (Pais) (6 ou menos; Ente Querido); Disciplina da Fé (Auto-Disciplina); Complexo de Culpa; Pacifismo (Não Ferir Inocentes); Altruísmo (12 ou menos); Senso do Dever (Humanidade); Vulnerabilidade (Ataques de Fadiga) (Ocasional) (Fadiga Apenas; x2).

Peculiaridades: Adora jogar video-game; Gosta de gatos e eles gostam dele; Não costuma rir; Se veste e come de maneira simples; Treina sempre que pode [-5].

Modelo

Agente da Trama: Patrono (organização muito poderosa; frequência razoável); Reivindicar Hospitalidade (grupo grande); Identidade Alternativa; Riqueza Confortável; Dever (muito frequente; Extremamente Perigoso); Código de Honra (jamais revelar a Trama; ajudar a quem precisa; não matar); Segredo (agente da Trama; prisão ou exílio).

Perícias

Acrobacia-17; Dissimulação-10; Conhecimento do Terreno (Oriente)-12; Luta às Cegas-11; Controle do Corpo-11; Linguagem Corporal 12; Controle da Respiração-13; Escalada-18; Operação de Computadores -11; Diplomacia-10; Condução (Automóveis)-17; Operação de Eletrônicos (Segurança)-11; Operação de Eletrônicos (Vigilância)-11; Fuga-16; Lábia-11; Primeiros Socorros-11; Mangual-16; Garrote-18; Armas de Fogo (Pistola)-19; Ocultamento-11; Ataque Inato (Projétil)-19; Intimidação-13; Judô-19; Salto-18; Caratê-19; Arte do Caratê-17; Leitura Labial-12; Meditação-13; Força Mental-15 ; Observação-13; Filosofia (Budismo)-10; Pilotagem (Helicóptero)-17; Psicologia -10 (IQ-1); Corrida-14; Trato Social (Dojo)-12; Perseguição-12; Bastão-17; Furtividade-18; Manha-11; Natação-14; Tática-11; Arremesso-17; Tonfa-17; Luta Livre-17



Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #34 Online: Dezembro 17, 2013, 05:37:03 pm »
Numeros da campanha e ìndice, no post inicial, atualizados.

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #35 Online: Janeiro 19, 2014, 03:55:00 pm »
Pessoal, não abandonei o diário não... estou trabalhando num texto sobre a 4a sessão, no estilo do que fiz com a primeira... em breve o colocarei aqui

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #36 Online: Janeiro 29, 2014, 11:34:53 am »
Sessão 1.4 "Desafiando os deuses parte I" (17/7/08 no jogo)

- Os PCs ainda passam um mes fazendo a segurança de João Carlos Salvador, que recuperou-se bem dos ferimentos, e desenvolvem uma amizade com ele. Ficam sabendo mais sobre o Clã das Sombras, um grupo de assassinos meta-humanos com base na Ásia.*

 -O Clã das Sombras tem como código jamais desistir de um trabalho, então a Trama buscou uma solução para evitar um novo ataque: propôs uma luta entre um campeão seu e um campeão escolhido pelo Clã. Se a a Trama vencesse, os ataques cessariam. Se o Clã vencesse, a Trama entregaria Salvador pessoalmente. Como uma prova de confiança, a Trama liberta Doppelganger e o manda de volta ao Clã. O Clã aceita o desafio, Kuan é escolhido para representar a Trama, e vence o combate.*

- Cinco meses se passam, durante os quais eles trabalham em diversos casos, alguns bem importantes, outros menos.*

- Recebem de Caio uma nova missão (veja o texto abaixo)

(Para facilitar a leitura, lembrem os codinomes que os PCs assumirarm: Tsuruji - Agente Tetsuo, Cassiano - Agente Silva, Marcelo - Agente Lutor, Kuan - Agente Sonjo)

Citar
– Bem Caio, acho que você já poderia dar mais detalhes sobre a missão, não? “Invadir um prédio de alta segurança” é um tanto vago... – disse Cassiano, aproveitando a pausa que Marcelo fizera no seu falatório sobre seu último voo de asa delta.

- Claro – respondeu Caio com um sorriso – aliás, posso fazer melhor. Vou mostrar a missão para vocês – virou-se para o motorista – Ludvik, será que podemos fazer um desvio?

- Claro, você quem manda – respondeu o tcheco, já compreendendo para onde Caio queria ir. O novo Chefe de Segurança da República Tcheca era um rapaz vinte e tantos anos, bastante alto e com espertos olhos verdes. Embora Caio não o conhecesse bem, sabia que ele era o típico carreirista da Trama: idealista, ambicioso e competente.

O QG ficava na Cidade Velha, não muito longe do hotel. No caminho, foram brindados com a visão das maravilhas arquitetônicas de Praga. A mistura de estilos era simplesmente maravilhosa, com torres góticas e casas renascentistas ao lado palácios medievais.

- Caramba, essa cidade é realmente bonita... e dizem que a noite por aqui é uma das melhores da Europa... Será que vamos ter tempo para fazer uma visitinha a algum “clube”, hein? – disse Marcelo, cutucando Caio com o cotovelo.

- Podemos ver isso depois Marcelo, mas acho difícil – na verdade, era impossível; assim que a missão terminasse, partiriam imediatamente. Eles iriam mexer com pessoas grandes, que não gostam nem um pouco de serem incomodadas, e quanto mais rápido sumissem do mapa, melhor.

Na segunda fileira da minivan, Cassiano ia sozinho, apenas observando a paisagem. Na terceira fileira, Kuan e Tsuruji conversavam em voz baixa. Caio ficava feliz que eles tivessem se aproximado. Quando escolheu Kuan para substituir Fernan no grupo, pretendia que sua lealdade férrea á Trama fosse um exemplo para os outros, mas temia que, por sua personalidade, ele ficasse por demais deslocado, afetando seu desempenho. Mas o coreano mostrou seu valor na missão de proteção a João Carlos Salvador, e isso trazia alivio para Caio. A recusa de Fernan a se submeter ao Protocolo havia angustiado Caio pormuito tempo, e a pressão que os outros Diretores estavam fazendo – especialmente Kudd –não era pouca. Infelizmente, Kuan fazia parte do quadro asiático de agentes, o que significava que ele estava “emprestado” ao grupo, e a Diretoria japonesa poderia requistá-lo de volta a qualquer momento. Esperava que isso não tivesse que acontecer, pelo menos não muito cedo... Caio mantinha as esperanças de persuadir Fernan a se unir ao grupo, e Kuan poderia lhe dar o tempo necessário para isso.

O QG, que Caio já vira por fotos, se encaixava perfeitamente na paisagem ao redor. Era um largo bloco de três andares, repleto de pilastras que lhe davam um ar de templo greco-romano. Oito estátuas dos deuses romanos que davam nome aos principais heróis do grupo vigiavam a entrada.

- Esta é a missão, amigos – disse Caio, enquanto contemplavam o prédio.

- O Quartel-General dos Olímpicos – reconheceu Cassiano

 - Exatamente, agente Silva. Não se enganem com a aparência, não há nada de velho nesse lugar. Pelo menos não quanto à segurança.

- É esse o prédio que vamos invadir? - perguntou Tsuruji.

- Sim, mas apenas você vai invadi-lo, agente Tetsuo.

Tsuruji fez uma expressão de surpresa descrente.

- Fique tranquilo, eu vou ajudá-lo. Todos nós vamos. O objetivo é copiar a base de dados do computador central deles, por isso que precisamos de você.

- Não tem como fazer isso por fora? Digo, eu poderia hackear...

- Não há como. O sistema deles é completamente interno, sem conexão com a internet.

- E o resto de nós, o que vai fazer? – Kuan perguntou, com seu sotaque oriental e modo discreto de falar.

- Eu vou contar o plano com mais detalhes no hotel, não se preocupem. Vamos voltar agora.

Chegaram ao hotel com a noite caindo. Como de costume, o lugar era discreto e confortável, sem ser luxuoso. Uma hora depois, estavam todos no quarto de Caio, sentados ao redor de uma pequena mesa, apenas com um laptop em cima. Na tela, estava a foto de um homem bastante gordo, calvo, de olhos pequenos e barba emaranhada.

- Este é Vladimir Arutyunian, mas conhecido como Vulcano, e é o alvo da primeira parte de nossa missão - anunciou Caio - Ele é o desenvolvedor e responsável por toda tecnologia dos Olímpicos, incluindo os sistemas de segurança e informática. Nós queremos duas coisas dele: informações sobre o sistema de segurança; e um pendrive que ele carrega o tempo inteiro com ele, preso em uma corrente em seu pescoço.

- O que tem no pendrive? - perguntou Cassiano

- Dados de um programa que ele vem desenvolvendo, para aprimorar a segurança do sistema do grupo. Precisaremos das informações para conseguir ultrapassar as defesas do sistema. Ele estará amanhã, por volta das 17 horas, em um prostíbulo de luxo, não muito longe do QG deles. Eu, Sonjo e Silva nos passaremos por clientes para nos aproximarmos dele.

- E eu não vou?! – exclamou Marcelo.

- Não. Você e Testsuo tem outra missão, que logo vou explicar – respondeu Caio. Marcelo ficou claramente desapontado por saber que não conheceria os encantos das prostitutas tchecas.

Caio explicou com detalhes o plano para se aproximar de Vulcano, e mostrou a todos o arquivo da trama sobre o super-herói.

– Ele é um meta-humano com genialidade inventiva e poder de gerar calor. Tem um papel menor no grupo, de apoio, é pouco valorizado pelos outros Olímpicos e se ressente bastante disso. Vulcano é um homem invejoso, glutão e viciado em sexo ,especialmente sexo pago.

- Nossa, que criatura patética – observou Marcelo.

- Não entendo porque fui escolhido para essa parte da missão- questionou Kuan – Isto parece muito mais um trabalho de engenharia social, que não é exatamente minha especialidade.

- Ele anda sempre com dois seguranças, Sonjo, muito capazes e bastante profissionais. Nós teremos que encontrar um jeito de lidar com eles. Aí que você entra.

Virou-se para Tsuruji e Marcelo – A missão de vocês será diferente. Vulcano estará neste prostíbulo amanhã porque o QG dos Olímpicos estará aberto para uma visitação ao público. Isto é parte de um projeto deles para tentar ser tornarem mais populares. Só haverá um Olímpico lá para receber as pessoas - Caio fez aparecer na tela a foto um homem jovem, absurdamente musculoso, com uma vasta cabeleira negra até os ombros.

- Eu conheço ele! – exclamou Tsuruji – não é aquele que lutou com o Apolo dois anos atrás? Eu vi o vídeo no Youtube...

- Ele é considerado o segundo herói mais poderoso do mundo – informou Cassiano.

- O cara é sinistro – completou Marcelo – saiu uma notícia recente de que ele ficou noivo da Vênus, aquela delícia ruiva...

- Sim, é ele mesmo, Júpiter, o líder dos Olímpicos. Não vou entrar em detalhes sobre ele agora, isso faz parte da próxima etapa da missão.

Caio continuou a explanação com algumas fotos da parte interna do QG dos olímpicos. Mostrou a Marcelo a localização da parede em que deveria instalar o explosivo que serviria para abrir uma rota de fuga caso fosse necessário. Quando contou a Tsuruji qual era sua incumbência, não pode deixar de sorrir diante do espanto do rapaz.

- Como assim pegar um autógrafo do Júpiter?! – disse ele

- Um autógrafo bem especial. Vocês certamente lembram das aulas com Mentor que todos os meta-humanos te uma assinatura energética, um campo eletromagnético de baixa intensidade que é emitido de seus corpos, com uma frequência única para cada indivíduo. Você, agente Tetsuo, irá até Júpiter com um meta-frenquencímetro, parar capturar a frequência dele. O aparelho estará disfarçado com uma maquina fotográfica, e basta apertar um botão para acioná-lo. Mas ele é pesado, e deve ser encostado na pele dele para a leitura ser perfeita. Além disso, Júpiter está familiarizado com essa tecnologia, e pode desconfiar, por isso você vai ter que ser bem discreto.

- Certo – disse Tsuruji – eu consigo.

Caio dispensou os quatro, pedindo que descansassem bem para o dia seguinte. Ele sabia bem que Marcelo ignoraria essa recomendação e sairia na madrugada para explorar a cidade, mas não faria nada para impedi-lo. Caio evitava ao máximo toda forma de liderança por medo ou imposição. Sabia que seu estilo poderia gerar indisciplina entre seus comandados, mas por outro lado, costumava ganhar a confiança e lealdade genuína deles.

Foi para a cama um tanto sem sono, refletindo sobre a missão e suas chances de sucesso. Eles havia se saído bem na missão Salvador, apesar do tiro no pescoço que o vereador levou. Kudd dissera categoricamente, na reunião da Diretoria, que a missão fora um fracasso por conta desse tiro, que Salvador sobrevivera por sorte, que todo um projeto importante como o Projeto Salvador foi colocado em risco para dar experiência a novatos, mas Caio discordava. Não havia como prever aquilo, e diante das circunstancias, eles reagirem muito bem, mostrando serem capazes de lidar com emergências. A maioria dos diretores concordou com Caio, e o idiota de cara vermelha do Kudd teria que arranjar outro argumento para sustentar sua empreitada em tomar a liderança do projeto de Caio.

Quando adormeceu teve um estranho sonho, no qual ele ainda era casado com Mariana e morava no apartamento de Ipanema. Mas no sonho, eles tinham três filhos, três adoráveis meninos, um de olhos puxados, um muito inteligente e um careca. Mariana queria lhe contar alguma coisa, uma historia confusa sobre um quarto filho rebelde que havia fugido de casa, sobre como ela não aguentava mais cuidar das crianças e que ela estava deixando Caio. Quando ela saiu pela porta com as malas, um homem esperava para levá-la, ninguém menos que Edgard Kudd, com seu terno azul-marinho, seu chapéu e suas bochechas avermelhadas.
No dia seguinte, por volta meio-dia, todos estavam no quarto de Caio, almoçando. Marcelo, como era de se esperar, ostentava algumas olheiras, mas nada que devesse atrapalha-lo. Ludvik também estava lá, e ajudou Caio a colocar disfarces em todos, nada complexo, maquiagem, barbas falsas, próteses de dente e queixo e tintura de cabelo. O objetivo era apenas evitar possibilidade de serem reconhecidos futuramente. Caio repassou o plano e tirou algumas dúvidas, mas ele pareciam já ter entendido bem suas missões.

Uma mensagem chegou ao celular de Caio: “Pronto. 2, na porta, dentro”, o que significava que Vulcano havia chegado ao prostíbulo, e seus dois seguranças o acompanhavam, tendo um ficado na porta do estabelecimento, e outro lá dentro, provavelmente guardando ele. Os cinco colocaram seus comunicadores ocultos e partiram. Tsuruji e Marcelo foram na minivã dirigida por Ludvik até o QG dos olímpicos. Caio não podia desdobrar sua atenção para fazer o controle da missão deles, por isso esse papel caberia a Ludvik, que acompanharia tudo por uma microcâmera presa à roupa dos dois. Mas Caio tinha certeza que não haveria necessidade de uma intervenção.

Caio, Cassiano e Kuan saíram em um luxuoso sedan alugado, como era de se esperar de turistas endinheirados, com Caio ao volante. Embora Cassiano fosse bem mais novo que eles, a barba e os óculos que agora ostentava o fazia parecer com vinte e poucos anos. Como Caio, embora já tivesse seus quarenta, aparentava a mesma idade de Kuan, quem os olhasse veria apenas três amigos fazendo turismo sexual pela Europa.

Chegaram até o estabelecimento na Cidade Velha, um casarão de dois andares, com um aspecto antigo, como tudo naquela parte da cidade. Não havia nenhum movimento além de dois seguranças na porta, como era de se esperar para aquela hora do dia. Caio entrou com o carro pela porta da garagem nos fundos, sempre evitando olhar para as câmeras de segurança, o que os outros dois também faziam. Saíram da garagem por uma porta lateral, e uma linda moça de pele clara e olhos azuis, que já passara muito dos 30 mas estava em excelente forma, saiu de trás de um balcão para recebê-los.

- Olá, bem vindos ao Carioca Cabaret – disse ela com um largo sorriso de dentes muito brancos, em um inglês carregado – No primeiro andar temos o bar e um ambiente comum, para os senhores relaxarem e conhecerem nossas garotas, e onde também haverá shows ao vivo de hora em hora; os senhores poderão pagar por shows privados, o ir para o quarto com alguma garota, no segundo andar. Cada menina tem um preço, e os senhores poderão perguntar diretamente a elas. Cobramos 30 euros pela entrada; como gostariam de pagar?
Caio pagou a entrada dos três em dinheiro, e logo eles estavam na sala principal do primeiro andar.

A primeira visão do local deixou claro para Caio que ele escolhera os homens certos para aquela missão. Marcelo certamente seria incapaz de se concentrar em outras coisas além das mulheres lindas, seminuas, de diversas etnias espalhadas por todo o recinto; Tsuruji também poderia se distrair, haja vista que ainda era um adolescente. Cassiano, embora um adolescente também, tinha uma mente tão fantástica que nem mesmo a chuva de hormônios da idade poderia desconcentrá-lo; E Kuan, autodisciplina e dedicação encarnadas, também manteria foco.

O ambiente era pouco iluminado, enevoado pela fumaça de charutos e cigarros, e cheirava a perfume e álcool. Uma música instrumental antiga tocava ao fundo, em volume baixo. A decoração era ainda mais antiquada que  a fachada do prédio, repleta de móveis que pareciam ter vindo diretamente do século 17. Havia muitas coisas com o que de distrair ali, e até mesmo Caio por um momento, não pode ver o que realmente procurava.

- Caio, no fundo, à direita – foi Cassiano quem viu primeiro. Vulcano estava em um sofá, com uma belíssima ruiva com os seios de fora ao seu lado, com a cabeça recostada em seu ombro. Ambos estavam silencio, e Vulcano, com um copo de bebida à mão, apenas observava o ambiente, com um olhar carrancudo. Sua espessa barba negra deixava seu rosto ainda mais sombrio.

Encostado em uma parede próxima, meio oculto pela escuridão, estava um dos seguranças de Vulcano, um homem surpreendentemente baixo, com uma roupa social. Ele observou os três por alguns segundos, avaliando, mas logo decidiu não eram ameaça e desviou o olhar. O segundo segurança não estava visível a principio, mas quando caminharam para o bar, puderam vê-lo no corredor que dava para a entrada principal. Era bem maior que o outro – na verdade era maior que qualquer um naquela sala - e estava com uma jaqueta.

Compraram algumas cervejas e começaram sua pequena encenação. Sentaram-se perto de Vulcano o bastante para que ele pudesse ouvi-los, mas longe o bastante para que não desconfiar que era um alvo.

Então, primo – falou em inglês Caio– Ainda acha que era melhor ter ido visitar aquela casa dos super-heróis?

- Com certeza não, primo, isso é bem melhor! – respondeu Cassiano, com naturalidade.
Com o canto do olho, Caio pode ver que o assunto tinha atraíra a atenção de Vulcano, e agora seu olha sombrio se dirigia a eles.

Continuaram conversando sobre o tema, com Cassiano desempenhando bem papel de jovem fã de super-heróis, que ainda queria fazer uma visita os Olímpicos naquela viagem à Praga. Caio bancava o primo que achava super-heroismo uma besteira, e que sacaneava o primo mais novo por gostar disso. Kuan pouco participava da conversa – aquele ambiente certamente o deixava constrangido.

Alguns minutos depois, Cassiano, como estava combinado, levantou para procurar pelo banheiro, e fingindo-se um tanto bêbado e perdido, passou perto da poltrona de Vulcano. O segurança baixinho na parede retesou-se olhando fixamente para. Cassiano, mas o jovem interpretou bem o seu papel, lançou um olhar para Vulcano como se o reconhecesse, e saiu rapidamente em direção ao banheiro. Pouco tempo depois estava de volta, junto a eles no bar.

- E então? – perguntou Caio, em voz baixa.

- Acho que ele mordeu a isca – respondeu Cassiano – Vamos ver.

Os três então passaram a olhar não direção de Vulcano disfarçadamente, fingindo que falavam sobre ele. Não demorou para que Vulcano fizesse um gesto para trás, chamando o segurança. Vulcano falou-lhe algo ao ouvido, apontando para eles. O homem se aproximou, com um ar um tanto desconfiado, e falou para o barman:

- Mais uma rodada para os três aqui, por conta do Sr. Vulcano – virou-se para eles – O senhor Vulcano está convidando vocês para se sentarem com ele.

- Claro! - Respondeu Cassiano de imediato – vai ser uma honra!

Os três se aproximaram e Vulcano falou, com uma voz rouca e ébria.

- Sentem aí, fiquem a vontade – apontou coma cabeça para o sofá logo a sua frente, e falou algo em tcheco para a ruiva, que saiu rapidamente. O segurança baixinho voltou para seu posto, atento.

- Você é o Vulcano dos Olímpicos, não é? – falou Cassiano, logo que sentou.

- Sim, sou eu – respondeu Vulcano, com um claro sorriso de orgulho – São poucos o que me reconhecem. Você deve ser um grande fã.

- Com certeza! Eu sei que o senhor foi quem inventou toda tecnologia dos Olímpicos... claro que o senhor não aparece tanto para o público, porque fica no suporte ás missões... mas o senhor é fundamental para o grupo, com certeza...

Vulcano analisou o rosto de Cassiano por alguns segundos, como que duvidando da sinceridade das palavras... mas então soltou um risinho irônico e respondeu – Eu deveria levar você para dizer isso para algumas pessoas, rapaz... mas chega de tantos senhores, sim? Me chama apenas de Vulcano.

Ele havia mordido a isca. Cassiano continuou habilmente o jogo de inflar o ego dele, e logo ele estava a falar abertamente sobre seu super-grupo. À medida que ficava mais bêbado, ficava mais amargo.

- E aquele Júpiter é um arrogante - tagarelava ele - Se acha muito melhor do que eu, acha que manda no grupo... - Soltou uma gargalhada sinistra – Mas o líder de verdade meus amigos é outro, e esse é mil vezes pior que ele... um velho maldito, manipulador como o diabo...

Caio e Kuan foram entrando aos poucos na conversa, e logo eles estavam junto a ele, no mesmo sofá. No entanto, o segurança estava perto o tempo todo, e não havia brecha para Caio executar o plano. Passou-se meia hora até que Vulcano mandasse o segurança buscar mais cervejas, já que não havia garçons por perto, e Caio teve sua chance. Um gesto rápido,  e o pequeno cristal de flunitrazepam foi pousar no fundo uisque de Vulcano.

- E Venus, ah não se enganem com ela... uma das heroinas mais bonitas do mundo, nãoé? É uma escrota, que nem sabe que os outrso existem... Nao se enganem com ela, com esse noivado com o Júpiter, é tudo armação pra gerar mídia – abaixou o tom do voz e se inclinuou para frente com expressão sombria – Vou contar um segredo sobre ela... essa aí é uma puta, a vida inteira foi, muito pior que qualquer uma dessas aqui...

Então o monólogo que continuou nos dez mintuos que demoraram para o sedativo agirpassou para um tom muito mais lamentoso. Vulcano falava de arrependimentos e frustrações, num falatório sem fim de autocomiseração. Kuan deve ser sentido pena dele, porque passou a tentar consolá-lo, mas isso só fez com que o super-herói romper em lágrimas, para o espanto do coreano.Chorando como um bebê, enconstou a cabeça no ombro de Kuan e simplesmente apagou.

- O que houve?! – perguntou o segurança, se aproximando.

- Acho que ele... desmaiou de bêbado – respondeu Kuan

- Merda, de novo não – fez um sinal para o outro segurança, que veio rapidamente.  Os dois trocaram algumas palavras em tcheco, e o baixinho virou-se para eles e disse, no tom mais ameaçador que seu péssimo inglês permitia.

- Vocês não vão falar nenhuma palavra do que aconteceu aqui para ninguém. Se eu souber que alguma coisa saiu na imprensa, eu vou ter que ir atrás de vocês... entenderam?

- Cla-claro, amigo... -respondeu Caio, fingindo estar com medo – fica tranquilo, ninguém vai falar nada...

Os dois levaram Vulcano apoiado nos ombros pela escada que dava no segundo andar. Clientes e funcionários olhavam curiosos a cena, alguns soltavam risinhos e comentavam.

Caio foi à menina mais próxima, e combinou rapidamente um programa. Teve que oferecer quase cinco vezes mais que o preço normal para ela aceitar subir com os três. O segundo andar nada mais era que um largo corredor com dezenas de portas. Quando chegou em frente ao quarto que usariam, Caio tirou 50 euros do bolso e ofereceu para garota.

– Olha, na verdade a gente só que ficar sozinho no quarto... você entende, não é? Pega isso aqui e dá uma voltinha por aí, pra ninguém desconfiar... – ela não entendeu a principio, mas depois sorriu maliciosamente, pegando a nota e saindo.

Os três entraram no quarto. Caio espiava por uma fresta da porta, enquanto Kuan e Cassiano aguardavam. Demorou um minuto para que avistasse os dois guarda-costas, saindo de um quarto do lado oposto. Eles trancaram a porta e desceram as escadas, enquanto menor deles falava efusivamente em tcheco ao celular.

- Vamos. Eles devem voltar logo, não teremos muito tempo.

A fechadura do quarto era bem simples, e Caio arrombou-a em sem problemas. Lá dentro, Vulcano jazia numa grande cama redonda, com a barriga para cima, ressonando fortemente pela boca aberta. Caio foi até ele, meteu a mão pela gola de sua blusa e arrancou pendrive, preso por uma fina corrente em seu pescoço, e colocou-o no bolso.

- Não é melhor você só copiar as informações? – perguntou Kuan – Eles vão ficar em alerta se souberem que o pendrive foi roubado.

- Ele não vai ter coragem de contar isso a ninguém, eu te garanto. Além disso, as informações aqui estão criptografadas, vamos precisar de tempo para quebrar o código.

Virou-se para Cassiano - Agora e com você, agente Silva. Aqueles dois podem voltar a qualquer momento, então faça o trabalho rápido.

Cassiano pôs-se ao lado de Vulcano, com a mão em sua cabeça, concentrando-se para iniciar seu vasculhamento mental. Kuan pôs-se perto da porta, vigilante.

- Vem vindo alguém – disse o coreano, quando não havia passado mais de tês minutos – Acho que são eles.

Cassiano precisaria de mais tempo, então eles teriam que improvisar. Caio colocou-se a esquerda da porta, com o neutralizador em punho, e Kuan fez o mesmo do lado oposto. Ouviram os dois homens se aproximar, conversando, e um barulho de chave girando na fechadura. A conversa parou de repente, e então sussurraram algo um para o outro. Certamente haviam percebido o arrombamento.

Alguns segundos se passaram sem que nada acontecesse, e então porta se abriu bruscamente, encobrindo Kuan.

- Co to děláš? – perguntou a voz trovejante do segurança grandalhão, do outro lado da porta. Do ponto que estava, econstado na parede, Caio só conseguia ver a ponta da pistola do homem, apontada para Cassiano. O jovem manteve-se impassível e homem repetiu a pergunta, desta vez antrando no quarto. Quando notou Caio atrás de si, já era tarde demais, e um disparo de neutralizador em sua perna o pôs ao chão, se contorcendo. O homem ainda tinha a arma na mão – não era incomum pessoas grandes como ele conseguirem manter algum nível de controle muscular depois deuma descarga do neutralizador – então caio precipitou-se até ele e chutou a arma de sua mão antes que fizesse algum disparao. Mas arrependeu-se imediatamente desse momento de distração, porque o outro guarda-costa surgiu como um raio na porta, com uma pistola apontada para Caio, pronto para disparar. E o teria acertado, se Kuan não tivesse empurrado a porta com toda força, atingindo o homem em cheio

- Neutraliza ele e traz pra dentro, rápido! –Caio falou para Kuan, e voltou sua atenção para o segurança que estava no chão e que teimava em se levantar.Disparou mais um tiro, e dessa vez, ele apagou.

Caio não chegou a ver como exatamente aconteceu, mais um instante depois o neutralizador de Kuan voou pelo quarto, e segurança baixinho, com o rosto todo ensanguentado, estava sobre ele. Caio tentava achar um ângulo para um tiro, mas o as chances de acertar Kuan eram grandes, então confiou que o coreano resolveria a situação. O guarda-costas era feroz e movia-se um gato, disparando socos velozes enquanto mantinha a guarda, com uma postura de quem certamente era perito em alguma arte marcial. Mas não era páreo para Kuan. O coreano esquivou-se dos dois primeiros ataques e aparou o terceiro, e num movimento fluido girou o braço do homem para trás das costas dele numa chave. Com uma velocidade inacreditável, desfez a chave e aplicou um mata-leão perfeitamente ajustado. O homenzinho sacudiu-se, ficou pálido e finalmente desfaleceu. Caio ainda lhe de um tiro de neutralizador quando ele deslizou para o chão, para garantir que ficasse ali um bom tempo.

- Fecha a porta e fique atento, Kuan, a luta deve ter chamado atenção – falou Caio – Cassiano, mais rápido, não temos mais tempo.

- Creio que já tenho o bastante – disse o rapaz, abrindo os olhos – mas antes de irmos tenho uma ideia. O Vulcano certamente não vai falar sobre o que aconteceu aqui hoje, mas nada garante que os guarda-costas farão o mesmo.

- É um risco que vamos ter que correr... – respondeu Caio.

- Não se colocarmos a masculinidade deles em jogo. Vamos tirar a roupa deles e colocá-los na cama.

Caio não entendeu por um segundo, mas depois alcançou o que Cassiano queria dizer. A ideia era brilhante.

Deixaram os dois homens e Vulcano apenas de cueca, sobre a cama, e tiraram uma foto com câmera do celular.

- Ótimo – falou Caio – depois dou um jeito de isso chegar para eles.

Saíram o mais rapidamente possível do prostíbulo, com o cuidado de não chamar atenção. Quando chegaram ao hotel, Tsuruji e Marcelo já estavam no quarto, com Ludvik.

- Então, como foi? – perguntou Caio para os dois

- Tão fácil que chegou a ser chato – respondeu Marcelo.

- Deu tudo certo, Caio – falou Tsuruji – o Marce... digo, o agente Lutor instalou o explosivo, e eu peguei a assinatura do Júpiter – entregou o chip da máquina fotográfica para Caio – e vocês, como se saíram?

- Tivemos mais contratempos que vocês, mas também conseguimos. Isso é pra você, Tetsuo – entregou o pendrive para ele – O próximo passo é você usar as informações que estão aqui para encontrar um modo de passar pelas defesas do computador deles. Quero que você se concentre apenas nisso agora, certo?

- Certo. Vou começar agora.

- E quanto a nós três, o que vamos fazer? – perguntou Kuan – pelo o que entendi, só você e Tetsuo vão invadir o QG.

- Vocês vão ficar com aparte mais difícil da missão, rapazes, e nós vamos nos preparar para ela enquanto Tetsuo trabalha no pendrive.

 - Ah é? – falou Marcelo – que beleza, até que enfim um pouco de ação...

- Sim, bastante ação, Lutor -respondeu Caio – Vocês vão lutar com o Júpiter.

 - Tsuruji passa o dia seguinte criando um programa que o permitirá invadir o computador dos Olímpicos. Marcelo, Cassiano e Kuan preparam-se para executar o plano: na noite em que Caio e Tsuruji vão realizar a infitração, os três vão se passar por meta-criminosos que acabaram de roubar um banco, para atrair a atenção dos Olímpicos e tirá-los do QG. Eles se refugiarão em um galpão afastado da cidade, e tentarão apenas distrair os Olímpicos o máximo que puderem, sem partir para o combate direto.

- Na noite do dia posterior, entram em ação. A Trama simula o assalto a banco e faz chegar a notícia que os assaltantes estão encurralados pela polícia no galpão. Júpiter e Vênus - os únicos Olímpicos presentes na sede naquele momento - partem para confrontar os criminosos. 

- Caio, usando disposistivos que alteram imagem e explorando pontos cegos das cameras, penetra na sala de vigilancia do QG e abate os seguranças. Tsuruji usas seus poderes para assumir a aparência de Júpiter e entra no QG. Ele altera sua assinatura energética para imitar a de Júpiter - caso contrário, os detectores automático de presença meta-huma disparariam.

*Não houve roleplay desta parte do jogo, que foi apenas descrita para os jogadores, ocorrendo "de fundo" na campanha.
« Última modificação: Fevereiro 03, 2014, 10:26:18 am por Quantico »

Re:Aurora Boreal - Campanha de Super-Heróis
« Resposta #37 Online: Fevereiro 03, 2014, 01:54:44 pm »
Sessão 1.5 "Desafiando os deuses, parte II"

- O galpão onde os PCs esperam os Olímpicos chegarem está todo preparado. Eles tem um disruptor de meta-habilidades (uma ennorme e desajeitada arma de feixe que anula poderes meta-humanos) sintonizada na frequencia de Júpiter, bombas de fumaça espalhadas pelo local, e uma equipe da trama oculta nos arredores, para dar apoio. A polícia de Praga cerca o local, mas está a espera dos super-herois para agir.

- Tsuruji entr no QG com a forma de Júpiter. Ele encontra uma empregada no caminho, que estranha seu patrão ter voltado tão cedo, mas ele consegue dispensá-la. Ele entra na sala do computador central, consegue ultrapassar as defesas e começa a copiar os dados do HD.

- Júpiter e Venus chegam de helicoptero ao galpão. Jupiter fala algo em tcheco em um megafone, o que é traduzido para os PCs pela equipe da Trama como "Voces tem um minuto para sair, se não, vou entrar aí e chutar a bunda de vocês". Um minuto se passa, e Júpiter entra pela porta da frente do galpão para confrontar os PCs. Ele caminha lentamente em direção a eles.

 - Cassiano, que havia ficado com o disruptor, atira e erra. Como a arma demora um minuto para recarregar, ele a descarta. Marcelo lança diversas vezes sua Prisão de Terra em Júpiter, mas apenas o atrasa, já que ele pode facilmente se soltar do solo. Sonjo acerta sua Esfera Corrosiva no rosto  do herói, mas não consegue feri-lo. O cabelo de Júpiter, no entanto, é corroido pelo o ataque, deixando-o furioso. Todos atiram com neutralizador nele, diversas vezes, mas ele ignora os choques elétricos. No entanto, percebe-se que  a quantidade absurda de sedativos que eles está recebendo está fazendo efeito aos poucos.

- Vênus surge de surpresa e trava uma luta com Sonjo. Temendo pelo pior, eles acionam a fumaça e tentam escapar, mas Júpiter consegue agarrar Cassiano. Sonjo dispara o neutralizador, e Júpiter perde os sentido momentanemanete com mais essa dose de sedativo. Marcelo prende Vênus na terra. Marcelo ainda demora-se um tempo tirando uma foto de Júpiter caido, com o cabelo queimado. Eles ainda têm que escapar de perseguição policial antes de chegar ao helicóptero que os esperava, mais ao longe.

- No QG, Tsuruji falha ao tentar apagar os seus rastros e baixa as informações incompletas, já que tinha medo de exceder o tempo máximo de uso dos seu poder. Quando está saindo, encontra Vulcano no corrdor. Vulcano dispara uma Onde de Calor, mas tsuruji consegue se defender, e o bate com um ataque de energia. Ele desfaz o seu disfarce como Júpiter, os alarmes disparam e todas as saidas se fecham. Caio aciona o explosivo, abrindo um buraco na parede, pelo qual ele e Tsuruji escapam. Instantes depois eles avistam o helicóptero dos Olímpicos retornando. Quando Caio pergunta como ele se saiu, Tsuruji (que estava com sua outra personalidade ativa) mente e diz que correu tudo bem.

- Todos se reunem e vão diretamente para o avião da Trama, que os levará de volta ao Brasil. No entanto, Caio recebe um telefonema sobre uma grande tragédia que está para acontecer, e os planos mudam.