Autor Tópico: Recriando a 4ª Edição (V1.0)  (Lida 10568 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Macnol

  • The Eltor
  • Admin
  • GW2 fanboy
    • Ver perfil
    • True spell!
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #15 Online: Junho 01, 2012, 11:49:54 am »
Eu pensei em algo parecido com esse sistema de fadiga, Madruga. Mas não sei se alguns encounters não são já feitos tendo em mente que não podem, nunca, ser usados duas vezes na mesma luta. Isso pode afetar o equilíbrio deles.

Mas alguém que conhece melhor os poderes da 4e pode dizer isso.

Offline Madrüga

  • Coordenação
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #16 Online: Junho 01, 2012, 11:57:13 am »
Esse poderes podem ter um custo maior ou um cooldown (embora cooldown envolva muito book-keeping). Ou ainda eles podem ter um custo contínuo, tipo vai perdendo um de fadiga por rodada, sei lá. Acho possível implementar e unificar com os psiônicos, tem que ver o que os mais versados em 4e acham.
"If there are ten thousand medieval peasants who create vampires by believing them real, there may be one -- probably a child -- who will imagine the stake necessary to kill it. But a stake is only stupid wood; the mind is the mallet which drives it home."
-- Stephen King, It (p. 916)


Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #17 Online: Junho 01, 2012, 11:59:28 am »
Talvez limitar a quantidade de Poderes usadas por Combate resolva um pouco. Algo nas linhas de "1 Diário por Combate, 1 Encontro por Rodada", já ajude a resolver o problema (ou não).

Isto já ajudaria bastante. Especialmente com a limitação por rodada, já que com isso eu não precisaria alterar os poderes de interrupção ou de ação mínima, uma vez que eles já se limitam por si só (se você usou uma interrupção não pode usar o poder por encontro no próximo turno). Vou até adicionar isto imediatamente na lista antes que eu esqueça.

Eu pensei em algo parecido com esse sistema de fadiga, Madruga. Mas não sei se alguns encounters não são já feitos tendo em mente que não podem, nunca, ser usados duas vezes na mesma luta.

Considerando que existem formas de recuperar poderes de encontro no jogo (só em níveis épicos, mas existe), não acho que tenha algo no nível desta limitação.

Fadiga é um conceito interessante, mas a 4e é meio bizarra, e não é só porque um poder é de nível mais alto que ele é mais forte. O paladino, por exemplo, tem MUITOS utilitários de nível 2 bons demais. Ao ponto de muita gente continuar escolhendo utilitários de nivel 2 quando chegam nos níveis 6 e 10. Então pra equilibrar, os poderes teria que custar o mesmo tanto de fadiga. Mas não vou ignorar só porque parece complicado, vou fazer umas contas depois e ver se funciona.


Vendo meus mangás
"O problema da internet é que nenhuma frase é creditada corretamente."
-Dom Pedro I

Offline Rain

  • “Nada é verdade, tudo é permitido”.
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #18 Online: Junho 01, 2012, 12:22:59 pm »
Bem, por mim poderíamos modificar ainda mais coisas do que foi proposto. Raças por exemplo, o objetivo é deixar D&D com mais cara do Lore antigo e conhecido:

 - Sai o Eladrin, entra o Alto Elfo
 - Sai o Deva e entra o Assimar
 - Sai o Tiefling comum e entre os dois estilos de Tiefling do D&D - o tocado pelos planos e o diabo de verdade
 - Sai o Meio-elfo básico e entra um novo tipo de meio-elfo que seria meio-elfo comum + meio-alto elfo e meio-drow)
 - Etc...

E necessário também listar os talentos que realmente são utilizáveis, retirando toda aquela carga de escolhas inúteis do sistema.

Sobre os diários acho desnecessário a modificação bruscas das regras
O Maximo que eu faria neste caso seria dar explicações abstratas destes poderes para o jogo (samurai X eu estou de olho em você)

A palavra diários deveria ser abolida e trocada por outra coisa, talvez "aventura" ou trocando em miúdos - antes de uma recuperação de verdade por tratamentos médicos extensos ou rituais de cura clericais (a nomenclatura poderes extraordinários ficou excelente nibe).

O mestre teria o poder de vetar a recuperação destes por meio do descanso prolongado comum (que poderíamos mudar também), poderíamos criar regras que explicassem a logica de tal sistema (dos poderes extraordinários)

Ex básico que eu utilizaria (de cabeça, AKA criei agora)...
Guerreiro de nível 30 Kenshin Himura

Ele têm 4 Poderes extraordinários
- 1 de nível mais baixo (provavelmente do destino exemplar) - Técnicas avançadas de Battoujutsu
- 1 de nível intermediário baixo (Nível 19)  - Do Ryu Sen
- 1 de nível intermediário alto (Nível 25) - Kuzu-Ryu-Sen ("Dragão Reluzente de Nove Cabeças")
- 1 de nível elevado (nível 30) -  Amakakeru Ryu No Hirameki ("Fulgor do Dragão que Voa Majestosamente pelo Céu")

Neste sistema proposto, Himura só poderá utilizar o poder de nível 30 uma vez durante a aventura (que só se recuperaria com um descanso prolongado de verdade), deixando seu corpo exausto

Mais ele pode queimar a utilização de um poder de nível 30 e utilizar duas vezes o poder de nível 25 (que exige menos do mesmo), ou queimar todos os diários para utilizar 4 vezes durante a aventura as "técnicas avançadas de Battoujutsu".

A regra alternativa básica para evitar descansos prolongados desnecessários é o marco
Ex da regra:

Kenshin já utilizou o Amakakeru contra Aoshi, um inimigo extramente complicado
Como o combate foi extremamente difícil e mais a frente Shishio ainda o espera (Kenshin não pode esperar, ele têm que continuar) o mestre de jogo julga que Kenshin alcançou um marco (um combate ridiculamente difícil) e agora pode re-utilizar na mesma aventura o poder de nível 30. ganhando uma carga para isto (que pode ser trocada).

EDIT: Os poderes por encontro e demais poderes não precisam de mudanças, trocar a palavra encontro por "cena", já é o bastante.
EDIT 2: A ideia do descanso prolongado de verdade vem deste artigo do lindo do Phil http://phieluminando.blogspot.com.br/2011_05_01_archive.html
« Última modificação: Junho 01, 2012, 12:58:57 pm por Rain »
"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância."
"Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância."

                                                        Sócrates

Offline Lumine Miyavi

  • "I am- you can call me... Red mage."
    • Ver perfil
    • Phieluminando
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #19 Online: Junho 01, 2012, 12:39:34 pm »
Ignore o Rain, essa frescura de Alto-Elfo já deu o que tinha que dar. XD

Blog do Lumine, PhieLuminando!
Avatar Atual: Red Mage, (Romancing Saga: Minstrel Song, ps2)

Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #20 Online: Junho 01, 2012, 12:59:57 pm »
Bem, por mim poderíamos modificar ainda mais coisas do que foi proposto. Raças por exemplo, o objetivo é deixar D&D com mais cara do Lore antigo e conhecido:

 - Sai o Eladrin, entra o Alto Elfo
 - Sai o Deva e entra o Assimar
 - Sai o Tiefling comum e entre os dois estilos de Tiefling do D&D - o tocado pelos planos e o diabo de verdade
 - Sai o Meio-elfo básico e entra um novo tipo de meio-elfo que seria meio-elfo comum + meio-alto elfo e meio-drow)
 - Etc...

Não. Vide objetivo 1.

Sobre os diários acho desnecessário a modificação bruscas das regras

Ex básico que eu utilizaria (de cabeça, AKA criei agora)...
Guerreiro de nível 30 Kenshin Himura
(...)
Neste sistema proposto, Himura só poderá utilizar o poder de nível 30 uma vez durante a aventura (que só se recuperaria com um descanso prolongado de verdade), deixando seu corpo exausto

Mais ele pode queimar a utilização de um poder de nível 30 e utilizar duas vezes o poder de nível 25 (que exige menos do mesmo), ou queimar todos os diários para utilizar 4 vezes durante na aventura as "técnicas avançadas de Battoujutsu".

A regra alternativa básica para evitar descansos prolongados desnecessários é o marco
Ex da regra:

Kenshin já utilizou o Amakakeru contra Aoshi, um inimigo extramente complicado
Como o combate foi extremamente difícil e mais a frente Shishio ainda o espera (Kenshin não pode esperar, ele têm que continuar) o mestre de jogo julga que Kenshin alcançou um marco (um combate ridiculamente difícil) e agora pode re-utilizar na mesma aventura o poder de nível 30. ganhando uma carga para isto (que pode ser trocada).

Obrigado por dar um exemplo estupidamente complicado pra me ajudar a mostrar onde eu NÃO quero chegar. XD

A 4e já tem bastante elementos que exigem contabilidade por parte dos jogadores. Complicar isto ainda mais é algo que eu acho que só vai atrapalhar. Quero manter o nível de complexidade durante o jogo no mesmo nível atual da 4e, ou mais leve. Complexidade pré-jogo eu tenho menos problema, porque é só fazer as contas e anotar na ficha. Dentro do jogo é mais complicado, como todo o problema que tinha na 3e quando alguém sofria um dreno de nível e tinha que recalcular toda a ficha pra poder prosseguir o jogo.


Vendo meus mangás
"O problema da internet é que nenhuma frase é creditada corretamente."
-Dom Pedro I

Offline Heitor

  • Demagogo
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #21 Online: Junho 01, 2012, 01:02:33 pm »
Porra, quando eu sugeri que os poderes de tema fossem baseados no nível, e não em atributo, cairam matando. E isso porque é, basicamente, como os ataques de monstro são gerados.  :frenzied:

Eu continuo achando que poderes diários serem transformados em algo como 'barra de especial' baseado no papel em combate, ou 'por aventura', medidas mais abstratas (porém, mais arbitrárias), seria o ideal.

Citar
Ele têm 4 Poderes extraordinários
- 1 de nível mais baixo (provavelmente do destino exemplar) - Técnicas avançadas de Battoujutsu
- 1 de nível intermediário baixo (Nível 19)  - Do Ryu Sen
- 1 de nível intermediário alto (Nível 25) - Kuzu-Ryu-Sen ("Dragão Reluzente de Nove Cabeças")
- 1 de nível elevado (nível 30) -  Amakakeru Ryu No Hirameki ("Fulgor do Dragão que Voa Majestosamente pelo Céu")

Neste sistema proposto, Himura só poderá utilizar o poder de nível 30 uma vez durante a aventura (que só se recuperaria com um descanso prolongado de verdade), deixando seu corpo exausto

Mais ele pode queimar a utilização de um poder de nível 30 e utilizar duas vezes o poder de nível 25 (que exige menos do mesmo), ou queimar todos os diários para utilizar 4 vezes durante na aventura as "técnicas avançadas de Battoujutsu".

Não é a mesma coisa que ter 4 'pontos de poder', e o poder mais forte custar 4, e os outros, respectivamente em ordem decrescente de poder, 3, 2 e 1?

Offline Metal Sonic

  • 天元突破グレンラガン
  • "WHO THE HELL YOU THINK I AM?"
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #22 Online: Junho 01, 2012, 01:50:27 pm »
Até que ponto isso...
 
 
Os jogadores podem usar um número de poderes maiores por encontro igual ao número de poderes maiores que ele possui. É possível usar o mesmo poder todas estas vezes.
 

 Entra em conflito com isso?
 
 
Fadiga é um conceito interessante, mas a 4e é meio bizarra, e não é só porque um poder é de nível mais alto que ele é mais forte.
 

 Porque bom, se Poderes de Níveis mais baixos podem ser melhores, basicamente a cada novo Encontro, você ganharia +1 uso do mesmo. E isso não favorece a tática de SPAM de um único Poder?
 
 ----
 
 Eu acho o conceito de Fadiga incrível para encontros... Mas se isso necessitar um "malabarismo" com o Nível dos Poderes, deve se levar em conta até que ponto esse processo é viável, já que ele viola o Item 1.
 
« Última modificação: Junho 01, 2012, 02:05:12 pm por Metal Sonic »
"My drill is the drill that will pierce the heavens!"

Offline Macnol

  • The Eltor
  • Admin
  • GW2 fanboy
    • Ver perfil
    • True spell!
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #23 Online: Junho 01, 2012, 02:08:15 pm »
Acho que mencionei ontem mesmo no chat, mas aproveito pra deixar registrado aqui: por mim, os atributos influenciam o mínimo possível nas estatísticas de combate, deixando isso por conta do treino e estatísticas adquiridos com a classe. Atributos ficariam primariamente para uso em perícias e outras interações com o ambiente/personagens.

Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #24 Online: Junho 01, 2012, 02:19:44 pm »
Pelo contrário, Metal. Isso demonstra que, mesmo podendo usar o mesmo poder repetidamente, as vezes, por questões táticas, vale a pena variar o poder. Se o poder de nível maior fosse sempre indubitavelmente mais forte na grande maioria das situações, isso significaria que eles sempre iam usar o poder de nível mais forte N vezes.

E vale lembrar que poderes por encontro maiores não incluem só os poderes de ataque. Utilitários e poderes raciais também entram neste bolo.


Vendo meus mangás
"O problema da internet é que nenhuma frase é creditada corretamente."
-Dom Pedro I

Offline Smaug

  • [Mensagem pessoal - altere no seu perfil!]
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #25 Online: Junho 01, 2012, 02:34:14 pm »
Podia adotar logo a regra de poderes recarregaveis dos monstros... Um poder diário heróico recarrega com 4, 5 e 6, um poder paragon com 5 e 6 e um poder épico com 6...

Edit: outra coisa que me ocorreu agora é que, pra não sambar o combate, as jogadas de recarga poderiam ser feitas no descanso curto.
« Última modificação: Junho 01, 2012, 04:48:56 pm por Smaug »
This happens all the time. No matter how epic the battle, once begun, the thing sounds more or less like a bingo game: People shout out numbers and other people get excited about them.

Offline Rain

  • “Nada é verdade, tudo é permitido”.
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #26 Online: Junho 01, 2012, 04:35:48 pm »

Eu continuo achando que poderes diários serem transformados em algo como 'barra de especial' baseado no papel em combate, ou 'por aventura', medidas mais abstratas (porém, mais arbitrárias), seria o ideal.

Citar
Ele têm 4 Poderes extraordinários
- 1 de nível mais baixo (provavelmente do destino exemplar) - Técnicas avançadas de Battoujutsu
- 1 de nível intermediário baixo (Nível 19)  - Do Ryu Sen
- 1 de nível intermediário alto (Nível 25) - Kuzu-Ryu-Sen ("Dragão Reluzente de Nove Cabeças")
- 1 de nível elevado (nível 30) -  Amakakeru Ryu No Hirameki ("Fulgor do Dragão que Voa Majestosamente pelo Céu")

Neste sistema proposto, Himura só poderá utilizar o poder de nível 30 uma vez durante a aventura (que só se recuperaria com um descanso prolongado de verdade), deixando seu corpo exausto

Mais ele pode queimar a utilização de um poder de nível 30 e utilizar duas vezes o poder de nível 25 (que exige menos do mesmo), ou queimar todos os diários para utilizar 4 vezes durante na aventura as "técnicas avançadas de Battoujutsu".

Não é a mesma coisa que ter 4 'pontos de poder', e o poder mais forte custar 4, e os outros, respectivamente em ordem decrescente de poder, 3, 2 e 1?

Sim é isto mesmo, não sei o que têm de complexo nisso, além de ser extremamente retrocompativo
As raças idem, Eladrin = High Elf, qual o problema disso?
"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância."
"Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância."

                                                        Sócrates

Offline Agnelo

  • Pai
  • O que se escreve num campo desses?
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #27 Online: Junho 01, 2012, 04:46:47 pm »
Eu não vejo necessidade de um projeto de crunch para mudar o nome de uma raça para algo que te agrade mais, visto que mesmo nos livros oficiais da 4e isso foi feito mais de uma vez.
Eu amo você. Tenho orgulho de você. Você trouxe à sua mãe e a mim mais alegria do que eu achei que houvesse. Seja bom pra ela e cuide bem dela.

Seja um dos mocinhos. Você tem que ser como John Wayne: Não aguente merda de nenhum idiota e julgue as pessoas pelo que elas são, não pela aparência.

E faça a coisa certa. Você tem que ser um dos mocinhos: Porque já existem Bandidos demais.

Offline Rain

  • “Nada é verdade, tudo é permitido”.
    • Ver perfil
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #28 Online: Junho 01, 2012, 05:01:21 pm »
Eu não vejo necessidade de um projeto de crunch para mudar o nome de uma raça para algo que te agrade mais, visto que mesmo nos livros oficiais da 4e isso foi feito mais de uma vez.

Eu vejo, sabe por que? Têm muito jogador que não joga de Eladrin simplesmente por serem extraterrestres demais (Elfos, sem pupilas, com olhos brilhantes e incandescentes que se teletransportam)

Ou seja o velho Lore de D&D é essencial para o jogo (algo mais proximo do FR, Dragonlance, Greyhawk)

Ex: Eladrin = Raça não aceita por uma penca de grognards que o ligam a celestiais
Altos Elfos = Aceito quase que universalmente, são elfos com afinidade arcana

Perceberam que foi isto que fizeram com o next, reduzir esta carga de "inovação", tornar as vacas sagradas ainda mais sagradas? Serio quem engoliu os elfos de Forgotten se tornarem Eladrins? (sim já que a maioria dos elfos de Toril são elfos da lua) ou quem engoliu a raça Eladrin em Eberron? pior ainda em Darksun?

Quem aceitou que Meio-Diabos e seres draconicos de uma hora para a outra passaram a habitar os cenários icônicos do D&D
Duvido que se a raça fosse simplesmente alto-elfo a aceitação não seria maior
"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância."
"Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância."

                                                        Sócrates

Offline Lumine Miyavi

  • "I am- you can call me... Red mage."
    • Ver perfil
    • Phieluminando
Re:Recriando a 4ª Edição
« Resposta #29 Online: Junho 01, 2012, 05:07:39 pm »
Eu vejo, sabe por que? Têm muito jogador que não joga de Eladrin simplesmente por serem extraterrestres demais (Elfos, sem pupilas, com olhos brilhantes e incandescentes que se teletransportam)
Se na sua mesa isso não é aceito, mude pra eles.

Ou seja o velho Lore de D&D é essencial para o jogo (algo mais proximo do FR, Dragonlance, Greyhawk)

Ex: Eladrin = Raça não aceita por uma penca de grognards que o ligam a celestiais
Altos Elfos = Aceito quase que universalmente, são elfos com afinidade arcana

Perceberam que foi isto que fizeram com o next, reduzir esta carga de "inovação", tornar as vacas sagradas ainda mais sagradas? Serio quem engoliu os elfos de Forgotten se tornarem Eladrins? (sim já que a maioria dos elfos de Toril são elfos da lua) ou quem engoliu a raça Eladrin em Eberron? pior ainda em Darksun?
Percebeu como D&D Next tá sendo um retroclone oficial?

E sério, tu falar de Retcon em FORGOTTEN REALMS é hilário. Time of Troubles mandou um abraço.

Quem aceitou que Meio-Diabos e seres draconicos de uma hora para a outra passaram a habitar os cenários icônicos do D&D
Duvido que se a raça fosse simplesmente alto-elfo a aceitação não seria maior
Eu pessoalmente PREFIRO raças novas que os mesmos humano, anão, elfo, halfling, gnome e meio-elfo de sempre. Dragonboardborns, Tiefling, Devas, Shardmind e outros pra mim são MUITO mais legais que o feijão com arroz de sempre.

Mesmo porque, Aasimares e Tieflings SEMPRE foram raças comuns nos meus jogos. ♥

Blog do Lumine, PhieLuminando!
Avatar Atual: Red Mage, (Romancing Saga: Minstrel Song, ps2)